Serão distribuidos três milhões de testes rápidos entre os estados e municípios em todo o Brasil; resultado deve sair entre 30 e 20 minutos

Desde o ano passado, os testes rápidos de dengue e chikungunya eram aguardados pelos pacientes do SUS
Agência Brasil/Arquivo
Desde o ano passado, os testes rápidos de dengue e chikungunya eram aguardados pelos pacientes do SUS

Na quinta-feira (10), foi publicado no Diário Oficial da União que os testes rápidos para dengue e chikungunya finalmente foram adicionados à tabela do Sistema Único de Saúde. A medida facilitará o diagnóstico, que vai dispensar a estrutura laboratorial, gerando mais economia na hora de detectar as doenças.

Leia também: Fiocruz descobre que pernilongo também pode transmitir Zika

Segundo o Ministério da Saúde, serão disponibilizados aos estados e municípios dois milhões de testes rápidos imunocromatografia qualitativa (IgM/IgG) para dengue e um milhão de testes rápidos imunocroatográficos  IgM para chikungunya.

Os resultados sobre a comprovação ou não da infecção devem sair entre 20 e 30 minutos. Para ser submetido à testagem, é necessário que o paciente apresente os sintomas relacionados às condições e possua o cartão do SUS – que pode ser adquirido em qualquer unidade de saúde a partir da apresentação de um documento pessoal.

Os testes rápidos são de extrema importância para um diagnóstico precoce e tratamento adequado, além de ajudarem a complementar os dados do governo e contribuir para a vigilância epidemiológica em todo o país.

Zika

O SUS também já oferece o teste rápido para verificar a presença do vírus Zika . Ele é realizado em gestantes e em crianças de até um ano de idade. O resultado sai em 20 minutos. O objetivo é verificar a possível contaminação e possibilitar acompanhamento imediato do caso.

São 2 testes em 1. O primeiro identifica se o cidadão está com o vírus, já o segundo observa se ele já foi portador do vírus em alguma fase da vida.

Queda de casos

De acordo com os dados do último boletim epidemiológico feito pelo Ministério da Saúde, em maio, os casos de dengue tiveram 90,3% de redução em relação ao mesmo período de 2016 . Já os registros de Zika diminuíram 95,3% e os de chikungunya caíram 68,1%.

No entanto, ainda é preciso continuar colaborando para o combate ao principal mosquito transmissor dessas doenças, o Aedes aegypti, e ficar atento aos sintomas, principalmente moradores de áreas de risco.

Sintomas

Veja quais são os indícios que podem indicar infecção do vírus da dengue, Zika ou chikungunya:

Fique atento: dor abdominal intensa e vômitos persistentes são sinais alarmantes de dengue
Portal Brasil / Divulgação
Fique atento: dor abdominal intensa e vômitos persistentes são sinais alarmantes de dengue


Ao apresentar os sintomas de chikungunya, dengue ou Zika, é importante procurar um serviço de saúde
Portal Brasil / Divulgação
Ao apresentar os sintomas de chikungunya, dengue ou Zika, é importante procurar um serviço de saúde



























Leia também: Estudo revela que pacientes com Zika não transmitem vírus pelo beijo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.