Zika vírus usa proteína como entrada para células-tronco neurais, diz estudo

Por Estadão Conteúdo |

compartilhe

Tamanho do texto

Pesquisa mostra que danos nesse tipo de células têm relação com vários dos sintomas associados ao zika nos fetos, como a microcefalia, mas não confirma que vírus causa malformação

Estadão Conteúdo

Algumas grávidas que foram picadas pelo Aedes e infectadas com zika tiveram bebês microcéfalos
NILTON FUKUDA/ESTADÃO CONTEÚDO
Algumas grávidas que foram picadas pelo Aedes e infectadas com zika tiveram bebês microcéfalos

Um grupo de cientistas norte-americanos descobriu que a aparente atração do zika vírus por neurônios em formação é resultado de sua capacidade para sequestrar uma proteína encontrada na superfície das células-tronco neurais, usando-a como porta de entrada para a infecção. Segundo os autores, danos nesse tipo de células são coerentes com vários dos sintomas associados ao zika nos fetos em desenvolvimento – incluindo a microcefalia.

O estudo, cujos resultados foram publicado nesta quarta-feira (30) na revista "Cell Stem Cell", foi liderado por cientistas da Universidade da Califórnia em São Francisco, nos Estados Unidos.

A proteína AXL – um receptor normalmente envolvido na divisão celular – é altamente abundante na superfície das células-tronco neurais que dão origem aos tecidos do córtex, mas não em neurônios de um cérebro já desenvolvido, segundo o artigo. Essas células-tronco capazes de produzir a proteína AXL, dizem os autores, só estão presentes no organismo durante o segundo trimestre de gravidez.

Os pesquisadores, no entanto, afirmam que a descoberta é um passo importante, mas ainda não fornece uma explicação conclusiva sobre como o zika seria capaz de causar a microcefalia.

"Ainda que não seja de maneira alguma uma explicação completa, acreditamos que a expressão de AXL por esse tipo de célula é uma importante pista para descobrirmos como o zika vírus é capaz de produzir casos tão devastadores de microcefalia. Os resultados se encaixam perfeitamente nas evidências disponíveis", disse o autor principal do estudo, Arnold Kriegstein, diretor do Centro de Pesquisa em Medicina de Regeneração Células-Tronco Eli and Edythe Broad.

"O AXL é o único receptor que tem sido associado à infecção por zika, por isso agora precisamos passar a fase da 'culpa por associação' e demonstrar que bloquear esse receptor específico pode prevenir a infecção", Kriegstein.

Veja também as diferenças entre os sintomas da dengue, zika vírus e chikungunya:

Causadas pelo mosquito Aedes aegypti, as doenças zika vírus, febre chikungunya e dengue têm diferenças importantes nas suas gravidades . Foto: iStockA dengue causa febre alta, dores no corpo, dores atrás dos olhos e a tão temida queda de plaquetas, que pode causar hemorragias sérias. Foto: iStockO medicamento usado para aliviar a febre e as dores da Dengue jamais pode ser o ácido acetilsalicílico (AAS), por causa do aumento de risco de sangramentos. Foto: iStockA febre normalmente mais baixa que a infecção pela dengue e a forte dor articular são sintomas da febre chikungunya. Foto: iStockAlém disso, o chikungunya pode fazer com que o fígado fique inchado, apareçam ínguas e erupções na pele. Foto: iStockO zika vírus têm os sintomas mais leves entre as trêsdoenças. Mas ele é associado com os graves casos de microcefalia em bebês.. Foto: iStockApesar de a febre ser mais baixa, das dores no corpo serem menos intensas e de até 80% das pessoas que contraem o vírus não apresentarem sintomas, levantou-se a possibilidade do zika aumentar a incidência da síndrome de Guillain-Barré. Foto: iStockUm dos sinais que diferenciam o zika vírus das outras doenças é a erupção cutânea. Manchas na pele são sinais relatados por quem teve a doença. Foto: iStockA conjuntivite parece ser uma consequência desse do zika vírus e está menos presente nas outras doenças. Foto: iStock


Leia tudo sobre: igvigilantezika vírussaúde pública

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas