Proteste pede que ANS obrigue planos de saúde a pagarem exame para detectar zika

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Órgão exige que ANS inclua exames de detecção de forma imediata; agência disse que adotará medidas necessárias

Agência Brasil

A Proteste, associação de defesa dos direitos dos consumidores, encaminhou um pedido à Agência Nacional de Saúde (ANS) para que obrigue os planos de saúde a cobrir exames que detectam o zika vírus. Segundo a Proteste, o ofício foi encaminhado à ANS na última sexta-feira (12).

A ANS informou que a Anvisa autorizou a comercialização dos exames específicos para detectar zika no início deste mês, e que eles não estão amplamente disponíveis na rede de laboratórios
iStock
A ANS informou que a Anvisa autorizou a comercialização dos exames específicos para detectar zika no início deste mês, e que eles não estão amplamente disponíveis na rede de laboratórios

"É fundamental garantir um diagnóstico precoce, além de tratamento digno e pleno aos consumidores expostos a uma situação iminente de risco", disse Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste. Segundo a associação, o Brasil vive um surto do zika vírus, o que tem provocado preocupação em todo o mundo.

Um boletim divulgado pelo Ministério da Saúde na última sexta-feira (12) apontou que 22 Estados confirmaram casos autóctones do zika vírus, que pode estar relacionado ao aumento no número de casos de microcefalia, desde o ano passado. De acordo com o ministério, 462 casos de microcefalia ou outras alterações do sistema nervoso central  foram confirmados, sendo 41 relacionados ao zika vírus.

Para a Proteste, como se trata de um caso excepcional, de risco iminente aos consumidores brasileiros, a inclusão dos exames que detectam o zika deve ocorrer de forma imediata.

“Em situações excepcionais, de risco iminente aos consumidores brasileiros, a Proteste entende que não se pode aguardar uma nova atualização do rol de procedimentos, daqui a dois anos. E nem as operadoras de planos de saúde podem restringir ou excluir sua responsabilidade quanto aos procedimentos que, pelas circunstâncias emergenciais, se mostram indispensáveis para oferecimento de um tratamento digno e eficaz”, diz a associação em seu pedido encaminhado à ANS.

Procurada pela Agência Brasil, a ANS informou que acompanha o problema envolvendo o zika vírus e que “adotará as medidas necessárias para o enfrentamento dessa situação crítica, inclusive no que diz respeito à revisão do rol de procedimentos [dos planos de saúde]”.

Quanto aos exames específicos para diagnóstico do zika, a ANS informou que a Anvisa os autorizou para comercialização no início deste mês, e que eles não estão amplamente disponíveis na rede de laboratórios, “somente sendo possível sua realização em alguns estabelecimentos referenciados”.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas