No sábado, houve visita em apenas 428 municípios do Brasil; mosquito é transmissor da dengue, zika vírus e chikungunya

Ministros durante o balanço da mobilização contra o mosquito Aedes Aegypti nesta segunda-feira
Elza Fiuza/ Agência Brasil - 15.02.16
Ministros durante o balanço da mobilização contra o mosquito Aedes Aegypti nesta segunda-feira

O Dia Nacional de Mobilização contra o mosquito Aedes Aegypti , no sábado (13), ocorreu em apenas 7,68% dos 5.570 municípios brasileiros. Houve visita em 428 municípios e 2,865 milhões de residências. Desse total, 295 mil estavam fechadas e em 15 mil casas a entrada dos militares não foi autorizada. O balanço da mobilização foi divulgado nesta segunda-feira (15) pelo ministro da Saúde, Marcelo Castro.

Segundo o ministro, 220 mil integrantes das Forças Armadas, 46 mil agentes de combate às endemias e 266 mil agentes comunitários de saúde participaram da mobilização. “Essa é uma ação conjunta que cabe a todos os gestores do País e a toda a sociedade. Foi um dia muito importante desta ação desenvolvida por todos mostrando essa unidade nacional – do município até o governo federal”, declarou.

Próximas ações

A partir desta segunda-feira até a quinta (18), 55 mil militares treinados percorrem 270 cidades do País dando continuidade à terceira fase de ações de combate ao Aedes aegypti , transmissor da dengue, zika vírus e chikungunya .  Nesta etapa, o reforço das Forças Armadas é uma ação direta de eliminação de criadouros do mosquito e envolve a aplicação de larvicidas e inseticidas com acompanhamento dos agentes de saúde. 

Do dia 19 a 4 de março, as ações serão nas escolas, em uma parceria entre os ministérios da Defesa e da Educação. Militares vão percorrer escolas públicas e privadas, além de universidades, levando informações para os alunos.

Emergência internacional

No início do mês, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou emergência internacional de saúde pública em virtude ao aumento dos casos de microcefalia associados à contaminação pelo zika vírus. O zika provoca dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos. 

*Com Agência Brasil

Veja mais: Os lugares inusitados que o Aedes aegypti pode depositar seus ovos


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.