Quênia pode desistir de Jogos no Rio por causa do zika, diz presidente de comitê

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo agência, Kipchoge Keino disse que país não arriscaria levar quenianos ao Brasil se vírus atingir níveis epidêmicos

BBC

Quênia é conhecido por ter grandes atletas campeões nas competições de de atletismo
Reprodução
Quênia é conhecido por ter grandes atletas campeões nas competições de de atletismo

O Quênia pode deixar de participar dos Jogos Olímpicos do Rio devido a preocupações com os "níveis epidêmicos" de zika vírus no Brasil, disse o presidente do comitê olímpico do país africano. O avanço da doença, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, tem sido ligado a um aumento considerável de casos de microcefalia.

Na semana passada, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou situação de emergência para a saúde pública global em função do avanço do zika.

Em entrevista à agência de notícias Reuters, Kipchoge Keino, presidente do comitê queniano, disse: "Não vamos arriscar levar quenianos (ao Brasil) se esse vírus zika atingir níveis epidêmicos. Eles (Brasil) devem assegurar que o País é seguro o suficiente". Keino afirmou ter estado em contato com os organizadores dos jogos para expressar suas preocupações.

'100% incorreta'

Autoridades brasileiras insistem que não há risco para atletas e espectadores – exceto mulheres grávidas – no período em que os Jogos ocorrerão. O Comitê Olímpico Internacional afirma estar em "contato próximo" com os organizadores, que teriam prometido inspecionar instalações olímpicas diariamente antes e durante as competições.

O Quênia ficou no topo do quadro de medalhas no mais recente Campeonato Mundial de Atletismo, em 2015, na China, quando o país levou 7 medalhas de ouro, 6 de prata e 3 de bronze.

Nesta segunda-feira (8), a agência Reuters noticiou que o comitê olímpico dos Estados Unidos teria liberado atletas do país para decidirem se querem ir ao Rio. Porém, mais tarde, a informação foi classificada pela autoridade esportiva americana como "100% incorreta".

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas