Riscos e sintomas da síndrome de Guillain-Barré, outra doença associada ao zika

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Doença rara tem apresentado aumento atípico em áreas com surto de zika; vírus, que é associado aos casos de microcefalia, pode provocar síndrome, mas relação ainda é investigada

BBC

Zika vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, vetor também da dengue e chikungunya
iStock
Zika vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, vetor também da dengue e chikungunya

A OMS (Organização Mundial de Saúde) declarou emergência de saúde pública internacional pelos casos de microcefalia em áreas com surto do zika vírus, mas o órgão também reconhece que há "indícios consistentes" do aumento de casos da síndrome de Guillain-Barré em regiões afetadas pelo vírus. 

A síndrome de Guillain-Barré é uma doença do sistema nervoso de caráter autoimune, ou seja, ocorre quando as defesas do organismo são mais intensas do que o necessário e passam a atacar partes do corpo. Pode afetar pessoas de qualquer idade, especialmente adultos mais velhos, e o risco de morte associado à doença é inferior a 10%.

Trata-se de uma reação rara a agentes infecciosos como vírus (que pode ser o zika) e bactérias. Os principais sintomas são fraqueza muscular e paralisia dos músculos. Pode apresentar graus diferentes de agressividade - de fraqueza muscular leve à paralisia total dos membros.

A doença afeta os nervos periféricos, que conectam o cérebro à medula espinhal, responsáveis por enviar comandos de movimento para o resto do corpo - daí os sintomas musculares.

Manifesta-se quando o sistema imunológico começa a produzir anticorpos contra a bainha de mielina, revestimento isolante que garante o funcionamento dos nervos. Danos a essa estrutura comprometem a capacidade de movimentação e a sensibilidade diante do calor, dor, texturas e outras sensações.

"Esse problema começa com um formigamento, uma fraqueza das pernas que vai subindo. Pode até ser grave, pode inclusive dar paralisia dos músculos respiratórios. Por isso, é importante procurar atendimento", afirmou o diretor de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch, em vídeo divulgado pela pasta.

Guillain-Barré e zika

A OMS reconhece a coincidência "espaço-temporal" entre surtos de zika a incidência da síndrome, mas diante da escassez de dados ainda não estabelece um vínculo direto entre as doenças. A recomendação por enquanto aos países afetados pelo zika é o aumento da vigilância a essa e outras síndromes neurológicas, como encefalite, meningite e síndrome de Fisher.

A relação entre a síndrome a a infecção por zika foi detectada pela primeira vez na Polinésia Francesa, durante o surto do vírus entre 2013 e 2014. Naquela ocasião, 74 pacientes com zika apresentaram também sintomas neurológicos ou autoimunes, e 42 (56,7% do total) foram classificados como Guillain-Barré.

No Brasil, a relação entre Guillain-Barré e zika foi confirmada no ano passado após investigações em Pernambuco, que como outros Estados do Nordeste apresentou aumento atípico de casos da síndrome.

A Guillain-Barré não é uma doença de notificação compulsória no Brasil, então não há dados nacionais sobre a ocorrência da síndrome. O governo monitora a situação pelos registros de internações e atendimentos ambulatoriais relacionados à doença, que revelaram aumento nos casos no ano passado em relação a 2015.

Algumas mulheres que foram infectadas pelo zika vírus também tiveram bebês com microcefalia
iStock
Algumas mulheres que foram infectadas pelo zika vírus também tiveram bebês com microcefalia

Houve, por exemplo, 29,8% mais internações (1.868 em 2015 ante 1.439 em 2014) e 8,1% mais atendimentos ambulatoriais (69.703 ante 64.422). A alta foi puxada pelos Estados de Alagoas, Rio Grande do Norte, Piauí, Bahia, Espírito Santo e Rio de Janeiro.  No entanto, segundo o ministério, não é possível estabelecer se esses casos foram causados pela infecção por zika, e a ocorrência de Guillain-Barré relacionada ao vírus continua sob investigação.

Estados vem adotando diferentes estratégias para investigar a síndrome - o Rio de Janeiro, por exemplo, anunciou que tornará obrigatória a notificação de casos, após registrar 15 casos em janeiro, número três vezes acima da média histórica. 

Extensão e tratamento

A OMS estima que a incidência anual média de Guillain-Barré no mundo seja de 0,4 a 4 casos por 100 mil habitantes. A doença não tem uma cura específica, e os tratamentos são voltados a reduzir a gravidade dos sintomas.

Procedimentos usados na fase mais aguda da doença são a imunoterapia com troca de plasma - para bloquear os anticorpos que atacam as células nervosas - e a admisitração de imunoglobulina, um anticorpo.

A maior parte das pessoas sobrevive e se recupera por completo. Esse processo, contudo, pode levar semanas ou meses, e a síndrome pode provocar deficiências que demandam reabilitação.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas