SÃO PAULO - Uma suspeita de gripe suína (rebatizada de http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2009/04/30/oms+decide+mudar+nome+da+gripe+suina+5867916.html target=_topgripe A H1N1) colocou 140 alunos e funcionários do Colégio Militar de Porto Alegre em quarentena domiciliar, informou nesta terça-feira o oficial de Comunicação Social da instituição.


De acordo com o coronel Leonardo Araújo, a suspeita recai sobre quatro alunos que apresentaram sintomas de gripe após uma viagem a Campo Grande e motivou o adiantamento das férias desse grupo, que começariam apenas a partir da próxima sexta-feira.

"Os 140 alunos e funcionários estão em quarentena domiciliar", disse Araújo. Segundo ele, as 140 pessoas integraram uma delegação que viajou a Campo Grande no início de julho para uma competição entre cinco colégios militares - Brasília, Campo Grande, Curitiba, Porto Alegre e Santa Maria.

A viagem, que durou uma semana, começou no dia 4 de julho em Campo Grande, onde a temperatura estava entre 30 e 32 graus. Na última sexta-feira, os alunos e funcionários passaram por Ponta Porã (MS), Pedro Juan Caballero (Paraguai, na divisa com o Brasil) e Foz do Iguaçu, onde a temperatura caiu para 5 graus, segundo o oficial.

"Em Foz do Iguaçu, quatro alunos começaram a apresentar sintomas de gripe comum, com coriza e tosse, mas sem febre", disse o coronel. De acordo com Araújo, um quinto aluno apresentou sintomas de pneumonia.

Os estudantes foram examinados no Hospital Conceição, em Porto Alegre, no último dia 10, sexta-feira. Os quatro alunos com sintomas de gripe são considerados casos suspeitos de terem contraído o vírus H1N1, disse o coronel.

Os alunos tiveram amostras coletadas para um exame a fim de detectar a presença ou não do vírus H1N1. Nenhum deles permaneceu internado, enquanto as amostras são analisadas em São Paulo.

Segundo o coronel Araújo, apesar da antecipação das férias dos que viajaram, os demais alunos do colégio permanecerão em aula até o final desta semana.

O Brasil já registrou 3 mortes e 1.027 casos da doença. O Rio Grande do Sul é o segundo Estado em que foram registrados mais casos da contaminação pelo vírus H1N1, com 129 confirmações, atrás somente de São Paulo, com 457, segundo o último boletim do Ministério da Saúde.

Transmissão no Brasil

Em nota, o Ministério da Saúde diz que, com exceção do segundo óbito, registrado na última sexta-feira, em São Paulo, e de familiares da vítima infectados, cuja transmissão ainda está em investigação, todos os casos de infecção dentro do Brasil tem vínculos epidemiológicos com pacientes que vieram do exterior.

Assim, o Ministério considera que, até o momento, a transmissão do vírus no País não apresenta evidências de sustentabilidade.

O comunicado também diz que, de acordo com dados de 10 de julho, a letalidade média da "gripe suína" no mundo (0,45%) é igual à da gripe sazonal.

Nesta segunda-feira, em reunião ministerial, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, fez um relato ao presidente Lula sobre a atual situação da doença no País.

Segundo Temporão, o Brasil tem feito um bom trabalho e está preparado para enfrentar a gripe. O Ministério tem montado postos avançados junto a Polícia Rodoviária Federal (PRF) com controle absoluto de todos os turistas que chegam de países com grande número de casos de contaminação.

Veja também:

Leia mais sobre: gripe suína

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.