de gripe A H1N1 pela OMS) está sob revisão. Especialistas de vários países, incluindo do Brasil, analisam o real impacto de características específicas e problemas de saúde preexistentes para o agravamento da doença." / gripe suína - Gripe Suína - iG" / de gripe A H1N1 pela OMS) está sob revisão. Especialistas de vários países, incluindo do Brasil, analisam o real impacto de características específicas e problemas de saúde preexistentes para o agravamento da doença." /

Países revisam lista de fatores de risco para a gripe suína

A lista de fatores de risco para a gripe suína (rebatizada http://ultimosegundo.ig.com.br/gripesuina/2009/04/30/gripe+suina+oms+decide+adotar+a+denominacao+gripe+a+h1n1+5867930.html target=_topde gripe A H1N1 pela OMS) está sob revisão. Especialistas de vários países, incluindo do Brasil, analisam o real impacto de características específicas e problemas de saúde preexistentes para o agravamento da doença.

Redação com Agência Estado |

  • Veja o especial sobre "gripe suína"
  • Tire suas dúvidas sobre a "gripe suína"
  • Infectologistas reforçam dicas preventivas
  • Teve problemas com atendimento médico? Envie relato ao Minha Notícia

    O esforço se explica pelas estatísticas até agora. No País, dos 222 casos de "gripe suína" com maior gravidade, somente 33,7% apresentam fatores de alerta. A maior parte dos pacientes graves atendidos no Brasil (pelo menos 66,3%) não tinha nenhuma doença pré-existente, não era idoso, gestante ou criança.

    De acordo com os resultados do trabalho, fatores podem ser incluídos, outros descartados, antecipa o diretor de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, Eduardo Hage. A primeira análise mais detalhada sobre casos graves e fatores de risco é esperada para quarta-feira.

    Gripe comum

    O diretor conta que a lista que hoje é usada por autoridades sanitárias foi feita com base no histórico de complicações de gripe comum e na experiência colhida nos primeiros casos da Influenza A (H1N1). É natural que ajustes sejam feitos. Mas isso não significa que a lista atual será invalidada. Uma mudança já foi sentida: obesidade mórbida foi incorporada aos fatores de risco há algumas semanas.

    O gerente de vigilância em saúde, prevenção e controle de doenças da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Jarbas Barbosa, adverte que a lista de fatores de risco não pode ser considerada como algo definitivo e excludente. E conta que, das mortes registradas no mundo até agora, 30% ocorreram num grupo de adultos jovens sadios.

    Mortes no Brasil

    No domingo, a Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul confimou mais cinco mortes em razão da doença. Com isso, o número de mortos no País subiu para 38.

    Leia também:

    Leia mais sobre: gripe suína

    • Leia tudo sobre: gripe suínasintomas

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG