OMS diz que "gripe suína" causou ao menos 11.516 mortes no mundo

Pandemia segue moderada, mas continua a infectar e, às vezes, matar pessoas mais jovens do que o vírus da gripe tradicional

Reuters |

A gripe suína, rebatizada de gripe A H1N1 pela OMS, causou a morte de pelo menos 11.516 pessoas em todo o mundo desde o início da pandemia em abril, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quarta-feira. Mas em seu relatório semanal, que mostrou quase 1.000 registros oficiais de mortes a mais em relação aos últimos dados, a organização disse que a doença aparentemente já atingiu seu pico ou está estável na Europa Ocidental e na América do Norte, enquanto há uma queda na transmissão em partes da Ásia.

Nos Estados Unidos e no Canadá, o vírus segue disseminado geograficamente, mas os níveis de doenças gripais caíram substancialmente e internações e mortes também estão em queda, disse a OMS.

Na Europa, a transmissão ativa do vírus segue disseminada pelo continente, mas na maioria dos países sua atividade já atingiu o pico --embora esteja crescendo no centro e leste do continente.



Em um outro relatório divulgado na terça-feira, a agência da Organização das Nações Unidas (ONU) disse que a pandemia segue moderada, mas continua a infectar e, às vezes, matar pessoas mais jovens do que o vírus da gripe tradicional.

Embora haja números de mortes confirmadas pela gripe H1N1, conhecida como gripe suína, agentes da OMS disseram que comparar números entre os dois tipos de gripe é complicado e pode induzir conclusões erradas.

    Leia tudo sobre: gripe suínamortemortosoms

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG