BRASÍLIA - O Ministério da Saúde corrigiu na manhã desta sexta-feira o número de mortos no Brasil pela gripe suína (rebatizada http://ultimosegundo.ig.com.br/gripesuina/2009/04/30/gripe+suina+oms+decide+adotar+a+denominacao+gripe+a+h1n1+5867930.html target=_topde gripe A H1N1 pela OMS) para 29. Na quinta-feira, havia sido divulgado que o número de vítimas seria 34.

De acordo com o ministério, foram computadas cinco mortes a mais no Rio Grande do Sul, por causa de um erro técnico. Do total de mortes, 11 foram no Rio Grande do Sul, 12 em São Paulo, cinco no Rio de Janeiro e uma no Paraná.

Ainda segundo o ministério, o índice de mortalidade por Influenza A (H1N1) no Brasil é de 0,015 por 100 mil habitantes. Em comunicado, a pasta afirmou lamentar o equívoco nas informações anteriormente divulgadas.

AE
Edson Nascimento, pai da menina de um ano e meio que morreu infectada

"Gripe suína" é maioria

O Ministério da Saúde estimou, nesta sexta-feira, que 60% dos vírus respiratórios que circulam no país podem ser da "gripe suína" . Mas este número pode aumentar, segundo a entidade. Em outros países, este índice chega a 90%.

A recomendação ministerial é de que o tratamento das pessoas com sintomas de gripe seja o mesmo. O uso de antivirais como o tamiflu deve ser usado apenas em pacientes que a "gripe suína" já foi confirmada. A orientação provém da Organização Mundial da Saúde (OMS). 

Gripe no Mundo

A Organização Mundial da Saúde disse, também nesta sexta-feira, que a pandemia da "gripe suína" já se espalhou para cerca de 160 países, matou cerca de 800 pessoas e precisa ser cuidadosamente observada, caso sofra uma mutação e se torne mais grave no inverno boreal.

"Por enquanto não vimos quaisquer mudanças no comportamento do vírus. O que estamos vendo ainda é uma expansão geográfica pelos países", disse o porta-voz da OMS Gregory Hartl em entrevista coletiva em Genebra.

O novo vírus, conhecido como "gripe suína", tem contaminado pessoas em todo o mundo porque ninguém tem imunidade natural a ele. Como todos os vírus influenza, ele pode circular mais amplamente no clima frio e pode sofrer mutações no inverno, segundo o porta-voz.

"Temos de estar cientes de que poderia haver mudanças, e temos de estar preparados para elas", disse Hartl.

Leia também:

Leia mais sobre: gripe suína

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.