SANTANDER - A diretora de Saúde Pública da Organização Mundial da Saúde (OMS), María Neira, afirmou nesta quarta-feira que os dados epidemiológicos sobre a gripe suína (http://ultimosegundo.ig.com.br/gripesuina/2009/04/30/gripe+suina+oms+decide+adotar+a+denominacao+gripe+a+h1n1+5867930.html target=_toprebatizada de gripe A H1N1 pela OMS), obtidos no hemisfério sul, onde o inverno rígido já passou, mostra que a doença continua sendo benigna numa percentagem altíssima dos casos.


Em declarações à Rádio Nacional da Espanha, Neira afirmou que a experiência no hemisfério sul é "importantíssima" para o prognóstico que a OMS faz sobre o desenvolvimento da gripe, que em países como Nova Zelândia, Argentina e Chile já "substituiu completamente" o vírus da gripe comum.

Neira acrescentou que, com os dados obtidos nos países do sul, onde o inverno está quase acabando, é possível "preparar" um modelo de atuação e prever como a gripe vai se expandir no hemisfério norte.

"Por enquanto, os resultados convidam a sermos serenos e positivos", disse a representante da OMS.

A especialista, no entanto, lembrou que o surto da doença no hemisfério sul provocou muitas situações de "pressão social e um pouco de nervosismo".

Ela disse ainda que o fato de o vírus da gripe ter substituído o da gripe comum é, "de alguma maneira, um aspecto positivo".


Leia mais sobre:
gripe suína

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.