Gravação mostra lobby de Tuma Júnior em favor de genro

Novos diálogos interceptados pela Polícia Federal revelam detalhes de uma articulação do secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, para conseguir aprovar o genro em um concurso público para preenchimento de vagas de escrivão da Polícia Civil de São Paulo.De acordo com as gravações, antes mesmo da aplicação das provas, Tuma Júnior já havia feito chegar à Academia de Polícia de São Paulo, órgão encarregado de realizar os concursos da Polícia Civil, o pedido de aprovação do namorado da filha.

iG São Paulo |

Novos diálogos interceptados pela Polícia Federal revelam detalhes de uma articulação do secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, para conseguir aprovar o genro em um concurso público para preenchimento de vagas de escrivão da Polícia Civil de São Paulo.

De acordo com as gravações, antes mesmo da aplicação das provas, Tuma Júnior já havia feito chegar à Academia de Polícia de São Paulo, órgão encarregado de realizar os concursos da Polícia Civil, o pedido de aprovação do namorado da filha.

As conversas mostram que Tuma Júnior ficou irritado quando soube que seu "futuro genro" havia ficado fora da lista de aprovados. É quando começa uma sucessão de telefonemas para tentar reverter o resultado. Do outro lado da linha, em todos os diálogos, estava o policial Paulo Guilherme Mello, o Guga, braço direito de Tuma Júnior no Ministério da Justiça. Mello, um dos alvos da investigação da Polícia Federal, havia sido encarregado por Tuma Júnior para cuidar da "aprovação" do genro do secretário.

O próprio secretário nacional de Justiça trata do assunto num dos telefonemas, em 19 de junho do ano passado. "Vê com aqueles cornos lá o que aconteceu lá, naquele rapaz lá, que cê foi falar aquela vez", ordenou a Mello.

Como o resultado já estava publicado, o próprio Tuma sugeriu que uma solução seria o genro apresentar um recurso para reverter a reprovação. "Eu mandei ele fazer recurso", disse o secretário.

O assessor relata as providências que adotara para atender ao pedido do chefe. "Eu falei com a pessoa que cê mandou eu falar (...) e aquele dia mesmo ele já ligou pra alguém, né, na minha frente." Tuma Júnior lamenta mais uma vez: "Que sacanagem, cara". Nas conversas, nem ele, nem seu assessor mencionam o nome do genro do secretário. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG