"Torço para que o Bruno não seja o pai", diz mãe de Eliza

Sônia de Fátima Moura tem a guarda provisória de Bruno, filho de 5 meses de Eliza

Agência Estado |

AE
Bruno com a avó materna (09/07/2010)
Sônia de Fátima Moura garantiu na Justiça a guarda provisória do pequeno Bruno, filho de Eliza Samudio, que está desaparecida e teria sido assassinada a mando do goleiro Bruno, do Flamengo. Agora, a mãe da ex-amante do camisa 1 torce para que ele não seja mesmo o pai da criança.

"Eu posso criar a criança. Tenho condições de criá-la. Na realidade, torço para que Bruno não seja o pai. Melhor seria se ele não fosse o pai", afirmou Sônia, que já teve batalha jurídica com Luiz Carlos Samudio, pai da ex-modelo, pela guarda do neto. Segundo ela, Bruninho seria "um pedacinho de Eliza".

Sônia afirmou ainda estar pasma com a crueldade com a qual o crime foi executado. De acordo com investigação ainda não concluída pela polícia, Bruno, seu amigo Macarrão, o ex-policial Bola e um primo menor de idade sequestraram e espancaram Eliza no sítio do goleiro, em Belo Horizonte. Depois, a ex-modelo foi estrangulada.

Parte de seu cadáver teria sido jogada aos cachorros. O restante foi enterrado sob camada de concreto, em local ainda a ser descoberto. "Foi o que eles relataram. Uma atrocidade fazer isso com um ser humano. Minha filha é um ser humano", afirmou Sônia de Fátima Moura, abalada.

Bruno, Macarrão e Bola já foram detidos e aguardam em cárcere o desenrolar do inquérito. Inicialmente, os problemas entre o jogador e sua ex-amante teriam começado justamente por ele não querer assumir a paternidade do pequeno Bruno.

    Leia tudo sobre: eliza samudiobrunocrimedayanne souza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG