Goleiro seria o mandante do assassinato da ex-amante Eliza Samudio, afirma o promotor Gustavo Fantini

Com as provas já coletadas pela Polícia Civil, os depoimentos de testemunhas e os laudos anexados ao inquérito, o promotor de Contagem (MG), Gustavo Fantini, diz já ter elementos para um possível pedido de indiciamento do goleiro do Flamengo Bruno Fernandes. "O que nós temos até agora é que ele seria o mandante do crime. Existem provas fortes do envolvimento de Bruno no caso. Eu não posso adiantar detalhes da investigação, mas posso dizer que temos provas fortes", afirma o promotor solicitado pela polícia para acompanhar o caso.

Há também indícios da participação dos outros oito suspeitos, já que, segundo Fantini, a polícia recolheu provas contra todos até o momento. O promotor, no entanto, não deu detalhes das investigações. "Não posso entrar em detalhes do inquérito, o que posso adiantar é que nós temos muitos elementos que apontam que Eliza foi assassinada".

A polícia conta com a eficiência desses elementos, já que a defesa dos suspeitos insiste em alegar que se não há corpo, não há crime. Os delegados acreditam que, mesmo sem encontrar os restos mortais de Eliza, vão conseguir provar a participação dos envolvidos por meio da materialidade indireta. Ou seja, a polícia alega ter elementos suficientes que apontem que Eliza foi assassinada mesmo sem localizar o cadáver, e ainda relacionar o crime aos suspeitos detidos.

"Materialidade indireta vem através de todos os meios de provas admissíveis em direito e, até agora, o que nós temos pode ser caracterizado como materialidade indireta", explica o promotor. As provas já conhecidas que a polícia e o promotor alegam ter são: o sangue de Eliza no carro de Bruno, testemunhas que a viram machucada no sítio do jogador, depoimentos de suspeitos que deram detalhes do crime, além de outros laudos que devem ficar prontos na próxima semana.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.