Polícia de MG diz investigar suposto grupo de extermínio

Bola, que está preso, é investigado no inquérito sobre a suposta organização de extermínio que atuaria dentro do grupo de elite

Agência Estado |

A Polícia Civil de Minas Gerais, por meio de nota, informou que a denúncia sobre um suposto grupo de extermínio que atuaria dentro do Grupo de Resposta Especial (GRE) da corporação ainda está sendo investigada pela Corregedoria Geral e o inquérito é acompanhado pelo Ministério Público.

A assessoria da polícia confirmou que o sítio alugado por Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, em Esmeraldas - onde teria sido morta Eliza Samudio, de 25 anos, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes -, foi usado para treinamento de policiais do Grupo de Resposta Especial (GRE) em 2007, por meio de cessão.

"O espaço deixou de ser utilizado quando um ex-integrante do GRE denunciou, em 2009, um crime supostamente ocorrido no local no ano anterior", diz a nota.

Bola, que está preso provisoriamente acusado de ser o executor de Eliza Samudio, é investigado no inquérito sobre a suposta organização de extermínio que atuaria dentro do grupo de elite da Polícia Civil mineira .

    Leia tudo sobre: eliza samudiobrunocrimedayanne souza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG