Polícia Civil do Rio conclui inquérito do caso Bruno

Segundo Felipe Ettore, titular da Divisão de Homicídios da Barra da Tijuca, os presos agora ficarão à disposição da Justiça

Bruna Fantti e Daniel Gonçalves, especial para o iG |

O titular da Divisão de Homicídios da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, Felipe Ettore, afirmou que o goleiro Bruno e Luiz Henrique Romão, o Macarrão, foram indiciados por sequestro.
Segundo Ettore, o inquérito está concluído e será encaminhado para a Central de Inquéritos da Polícia Civil. Os presos agora ficarão à disposição da Justiça.

O delegado disse ainda que a pena prevista para esse tipo de crime varia de um a três anos de detenção. Bruno e Macarrão ficaram calados durante o depoimento. “Bruno e Luiz Henrique se reservaram ao direito de permanecerem em silêncio. Eles tomaram café da manhã normalmente e estavam tranquilos”, disse.

A polícia mineira também está prestes a concluir o caso. Em entrevista coletiva nesta quinta-feira, o chefe do Departamento de Investigações da Polícia Civil de Minas Gerais, o delegado Edson Moreira, afirmou que "está chocado". "Foi um crime premeditado, planejado e friamente executado."

Prisão

Bruno e Macarrão se entregaram no final da tarde desta quarta-feira à carceragem da Polinter, no Andaraí, zona norte do Rio. De lá, os dois seguiram para a Divisão de Homicídios, onde deveriam prestar depoimento. Na chegada dos dois à delegacia houve grande tumulto e os policiais tiveram de fazer um cordão de isolamento para que o jogador e o amigo entrassem na delegacia. Cerca de 200 pessoas estavam em frente à Divisão de Homicídios e hostilizaram os dois com gritos de "assassinos".

Na delegacia, Bruno e Macarrão falaram separadamente por cerca de 20 minutos cada e se negaram a prestar depoimento. Ambos disseram que só irão prestar esclarecimentos em juízo.

O jogador do Flamengo foi indiciado pela Justiça do Rio como o mandante do sequestro de Eliza Samudio, de 25 anos, com quem teve um relacionamento extraconjugal. Já Macarrão foi indiciado como um dos executores do crime, junto com o adolescente de 17 anos, primo do goleiro, e prestou depoimento na última terça-feira, confessando envolvimento no caso.

Depoimento

O menor de idade foi apreendido na última terça-feira na casa de Bruno e confessou, em depoimento à polícia, seu envolvimento no sequestro de Eliza Samudio. De acordo com informações da polícia, ele teria confirmado que a jovem está morta.

O jovem, cuja identidade não foi divulgada, reconheceu que participou com "Macarrão" do sequestro da ex-amante do atleta. Segundo a polícia, ele relatou que a ex de Bruno foi colocada à força em uma caminhonete de propriedade do jogador que era dirigida por Macarrão. O menor teria dito que estava escondido no carro e deu uma coronhada em Eliza, que discutia com o amigo de Bruno, mas não relacionou isso à morte dela.

O jovem foi detido depois que seus próprios parentes alertaram a polícia que ele estava escondido na casa de Bruno, no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio.

    Leia tudo sobre: caso BrunoEliza Samudio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG