Noiva acusa juíza de tentar extorquir goleiro Bruno

Juíza e advogado teriam pedido R$ 1,5 milhão para conseguir a libertação do jogador

AE |

selo

Em depoimento a representantes do Ministério Público Estadual (MPE), da seção mineira da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MG), da ouvidoria de polícia e das comissões de Direitos Humanos e de Segurança Pública da Assembleia Legislativa do Estado, a dentista Ingrid Calheiros Oliveira, noiva de Bruno Fernandes, acusou uma juíza e um advogado de tentativa de extorsão para colocar o goleiro em liberdade. Bruno está preso desde julho do ano passado, acusado do sequestro e assassinato de sua ex-amante, Eliza Samudio, de 25 anos. 

Conforme a acusação, a juíza Maria José Starling, da comarca de Esmeraldas, na região metropolitana de Belo Horizonte, e o advogado Robson Martins Pinheiro teriam pedido R$ 1,5 milhão para conseguir a libertação do jogador. No seu depoimento, Ingrid afirmou que foi procurada no fim do ano passado pelo advogado por indicação da juíza - que em outubro de 2010, durante uma audiência do caso, defendeu publicamente a libertação de Bruno. 

Pelas investigações da Polícia Civil mineira, a morte de Eliza completou um ano no último dia 10. Desde então, Bruno e outros oito acusados do crime tiveram 59 habeas corpus negados pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG), além de outros recursos recusados também pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

Um contrato ao qual a reportagem teve acesso estabelecia que Bruno faria o pagamento até 48 horas após ser solto. 

Em seu depoimento, Ingrid afirma que o advogado depois mudou o acordo e exigiu que o valor fosse pago uma semana antes de o pedido de habeas corpus ser impetrado em diversas instâncias judiciais. Um e-mail em poder da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia, que teria sido enviado pela juíza à dentista, ainda pedia que Ingrid não atendesse "nenhum telefone de Brasília" e informava o telefone pessoal da magistrada. 

Em outra correspondência - que teria sido enviada por Ingrid a Bruno por meio do atual advogado do goleiro, Cláudio Dalledone Júnior - a dentista diz que "a conversa mudou", em referência ao acerto com Pinheiro, e que havia desistido de fazer o pagamento antecipado porque, caso a artimanha não tivesse efeito, não teriam "como provar" o acordo e o respectivo pagamento. 

Ela alegou ainda que após desistir do negócio foi abordada por um policial armado que se identificou apenas como "Leandro". O suposto policial pediu que ela "pensasse com carinho" em manter o contrato com Pinheiro, informando que a juíza é uma pessoa "muito influente". 

"Ela (Ingrid) resolveu depor porque ficou com medo", afirmou o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia de Minas, deputado estadual Durval Ângelo (PT). No fim da tarde de hoje, o parlamentar preparava ofício para encaminhar a denúncia ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Outro lado

O advogado Getúlio Barbosa de Queiroz, que representa a juíza de Esmeraldas, atribuiu a denúncia de Ingrid a uma "represália" do deputado, a quem atribui "acusações levianas". Ele destacou que a magistrada não tem competência funcional para decidir pela soltura de Bruno. "Ela não condição nenhuma de colocar esse pessoal em liberdade", afirmou. 

"Essa amante do Bruno não está preparada para esse jogo de interesse. Se tem algum advogado no meio disso que contratou com ela, a responsabilidade é entre ela e o advogado. A juíza não pode indicar advogado para ninguém." 

Pinheiro afirmou, em nota, que "os serviços profissionais por ele prestados sempre obedeceram às normas éticas, legais e contratuais". "Os honorários foram contratados de comum acordo entre as partes, tendo um valor fixo e outro a depender do êxito da causa, e tiveram em conta, entre outros aspectos, a complexidade da demanda e a condição econômica do cliente", destacou. 

O advogado disse que trabalhou para Bruno de dezembro de 2010 a fevereiro deste ano. Ele afirmou que causaram surpresa "as falsas suposições levantadas" e que desconhece "as razões para comportamento tão desrespeitoso e leviano". 

O TJ-MG informou que não foi comunicado oficialmente e não iria se posicionar sobre o assunto. Dalledone não foi localizado hoje pela reportagem.

    Leia tudo sobre: goleiro brunojuízaIngrid Oliveira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG