Nem da Rocinha pode ter participado de plano para matar juíza do caso Bruno

Ex-goleiro do Flamengo prestou depoimento sobre suposta trama de assassinato da juíza, que passou a ser escoltada, e advogados

Denise Motta, iG Minas Gerais |

AE
Goleiro Bruno chega para prestar depoimento em Belo Horizonte
Preso por envolvimento no desaparecimento da ex-amante Eliza Samudio, Bruno Fernandes, ex-goleiro do Flamengo, prestou depoimento nesta terça-feira (20) no Departamento de Operações Especiais (Deoesp), região oeste de Belo Horizonte.

De acordo com informações da polícia, um detento, que compartilhou cela com envolvidos no desaparecimento de Eliza, afirmou que Bruno estaria envolvido em um plano para matar advogados do caso e a juíza Marixa Fabiane Lopes, responsável pelo processo.

O traficante Nem da Rocinha teve o nome citado na trama de assassinato da juíza. Ele foi preso no dia 10 de novembro, no Rio de Janeiro . A polícia mineira não divulgou detalhes sobre o depoimento de Bruno nesta terça-feira (20). O advogado de Bruno, Francisco Simim, não foi localizado para comentar o depoimento.

Goleiro Bruno se separa e já fala em novo casamento

Além de Bruno e de Nem da Rocinha, estariam envolvidos na trama para matar a juíza o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Bola. Ele, de acordo com as investigações policiais e denúncia do Ministério Público de Minas Gerais, foi o executor de Eliza, que se desentendeu com Bruno porque esperava um filho dele. O corpo de Eliza não foi encontrado.

Tanto Bola quanto Bruno negam envolvimento. O primeiro, por meio de seus advogados. O segundo, em depoimento na Assembleia Legislativa de Minas, no dia 28 de junho. Na ocasião, ele chorou, alegou inocência e trocou carinhos com a noiva, a dentista Ingrid Calheiros.

Leia a cobertura completa do caso do goleiro Bruno

Em julho deste ano, depois que a suposta trama de assassinato foi divulgada, Marixa passou a ser escoltada por policiais durante 24 horas por dia. Quem divulgou o plano foi o advogado José Artero Cavalcante Lima, em junho. Hoje, o detento que denunciou a suposta trama de assassinato da juíza, Jaílson Alves de Oliveira, tem como advogado Artero. O advogado não foi encontrado para comentar o assunto.

Além de Marixa, estaria na lista de vítimas no plano de execução o chefe do Departamento de Investigações de Minas Gerais, Edson Moreira. Ele conduziu as investigações que apontaram a culpa de Bruno no desaparecimento de Eliza.

    Leia tudo sobre: goleiro brunonem

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG