"Não saio do Rio sem ele", diz delegada do caso Bruno

Encarregada da investigação em Minas Gerais, Alessandra Wilck afirmou que goleiro deve seguir para Belo Horizonte

iG São Paulo |

Ao deixar a sede da Divisão de Homicídios do Rio, na Zona Oeste da cidade, a delegada Alessandra Wilck concedeu uma entrevista aos jornalistas e disse que a investigação está adiantada, mas ainda há contradições no inquérito que precisam ser esclarecidas.

Questionada sobre o que gostaria de saber de Bruno, a delegada afirmou que as principais questões são: ““Se ele esteve no sítio, se não esteve, quem estava com ele no dia que Eliza esteva no sítio”.

Alessandra disse ainda que não confirma o homicídio e sim o desaparecimento de Eliza Samudio, que pode evoluir para um homicídio. “Temos algumas informações, mas ainda não podemos divulgá-las."

Os acusados Bruno Fernandes e Luiz Henrique Romão, conhecido como Macarrão, devem ir para Belo Horizonte, onde existe um mandado de prisão temporário de 30 dias, renováveis por mais 30. A delegada espera agora a liberação por parte da Justiça do Rio, para poder viajar com os acusados para Minas Gerais, onde serão interrogados.

Contradição

O advogado do jogador Bruno disse que o atleta afirma desconhecer as acusações. Porém, a polícia confirmou que Bruno se negou a responder a qualquer pergunta durante o depoimento e afirmou que só falará sobre o caso em juízo.

Prisão temporária

Sete mandados de prisão e um de apreensão foram expedidos pela Justiça mineira para suspeitos de envolvimento no sumiço de Eliza Samudio. O próprio jogador teve mandado de prisão temporária contra si e chegou a ser considerado foragido, assim como seu amigo Luíz Henrique Ferreira Romão, conhecido como Macarrão.

Outros mandados são contra Flávio Caetano de Araújo, Wemerson Marques de Souza (conhecido como Coxinha), Elenilson Vitor da Silva e Sérgio Rosa Sales Camelo, também acusados do desaparecimento da modelo. O pedido de apreensão é contra o adolescente.

Depoimento de adolescente

Um adolescente foi apreendido na última terça-feira na casa de Bruno e teria confessado, em depoimento à polícia, seu envolvimento no sequestro de Eliza Samudio. Segundo informações da polícia, ele teria confirmado que a jovem está morta.

O jovem, cuja identidade não foi divulgada, reconheceu que participou com "Macarrão" do sequestro da ex-amante do atleta. Segundo a polícia, ele relatou que a ex de Bruno foi colocada à força em uma caminhonete de propriedade do jogador que era dirigida por Macarrão. O menor teria dito que estava escondido no carro e deu uma coronhada em Eliza, que discutia com o amigo de Bruno, mas não relacionou isso à morte dela.

O jovem foi detido depois que seus próprios parentes alertaram a polícia que ele estava escondido na casa de Bruno, no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio.

*Colaborou Claudio Marçal

    Leia tudo sobre: delegadacaso BrunoMinas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG