Mãe de Eliza pede para que Bruno 'quebre o silêncio'

Sonia de Fátima Moura prestou depoimento na 2ª Vara Criminal de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul

AE |

selo

Visivelmente abatida e de semblante triste, Sonia de Fátima Moura, prestou depoimento nesta terça-feira na 2ª Vara Criminal de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Ela é mãe de Eliza Samudio, que foi amante do ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes de Souza e que está desaparecida desde 10 de junho. Chorando, disse que apenas pede para que Bruno "quebre o silêncio, que ele tenha amor no coração" e conte onde está a "filha, o corpo ou os restos mortais dela, pois ele e o Macarrão (Luiz Henrique Romão, amigo do atleta) foram os últimos a estarem com Eliza e agora dizem que não sabem de nada".

Sonia está inconformada com o fato de estar arrolada no inquérito policial como testemunha de Bruno, um dos principais acusados pelo desaparecimento - e já considerada morte - de Eliza. "Eu acho um absurdo eu ser testemunha de defesa dele. Como eu, que sou mãe posso ser testemunha de alguém que é o principal suspeito de matar minha filha?" Ela foi arrolada a pedido da defesa de Bruno.

A advogada dela, Maria Lucia Borges Gomes, acredita ser uma estratégia dos advogados do ex-goleiro. Afirmou que também considerou "um absurdo impor mais esse sofrimento a Sonia". Perante o juiz, Sonia repetiu o que disse em Belo Horizonte, insistindo que não tem nada para falar a não ser "viver seu luto". Sonia mora em uma chácara com o garoto Bruno, que considera neto e que obteve a guarda da Justiça.

Mais depoimentos

A Justiça de Minas Gerais irá ouvir amanhã em Ribeirão das Neves 21 testemunhas no caso Bruno. Duas testemunhas são de acusação, 16 de defesa e três de acusação e defesa. A sessão deve começar às 10h e se estender até o começo da tarde. Todas serão ouvidas pelo juiz da comarca de Ribeirão das Neves. Outros depoimentos, em diferentes cidades de Minas - Sabará, Vespasiano, Pitangui e Belo Horizonte - acontecerão antes do julgamento. As testemunhas têm que ser ouvidas em seus municípios de residência.

Bruno responde pelos crimes de sequestro e lesão corporal de Elisa Samudio, que o acusou de sequestro e tentativa de indução ao aborto. A ex-modelo, que queria que o goleiro reconhecesse a paternidade de seu filho, está desaparecida desde 10 de junho, quando teria sido morta. Ele está preso Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte.

    Leia tudo sobre: caso brunoeliza samudio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG