Ex-mulher de Bruno diz, em carta, ter cuidado de filho de Eliza

Dayanne Rodrigues presta depoimento no Fórum de Contagem (MG) e diz que intenção de Macarrão era matar também o bebê

Camila Dias, especial para o iG |

Dayanne do Carmo Rodrigues, ex-mulher do goleiro Bruno Fernandes, presta depoimento nesta segunda-feira no Fórum de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, sobre o desaparecimento e já considerada morte de Eliza Samudio.

AE
Dayanne do Carmo (de branco), ex-mulher de Bruno, é a primeira interrogada no Fórum de Contagem (MG)

Antes de começar a falar, ela ouviu a leitura do depoimento que prestou à Polícia Civil logo depois que foi presa pela segunda vez. A mulher voltou atrás e negou saber com certeza se Eliza está morta. 

Após as ressalvas, o promotor Gustavo Fantini, apresentou à juíza Marixa Lopes uma carta escrita por Dayanne e entregue ao Ministério Público. A carta não estava nos autos e por isso os advogados não conheciam o conteúdo.

No documento, a ex mulher do goleiro Bruno confirmou que cuidou de Bruno Samudio e disse que, se não tivesse cuidado do bebê de Eliza, a essa hora ele já estaria morto. “Ao encontrar Sérgio ele me disse que, na noite do dia 10 de junho de 2010, se eu não tivesse aceitado olhar o bebê, a essa hora a criança poderia estar morta porque a intenção de Macarrão era eliminar mãe e filho. Muitos dizem que eu estava no lugar errado e na hora errada, mas talvez eu estava sim, no local errado, mas na hora certa. Saber que Bruno Samudio está bem, para mim já é um alento. Criança é ser divino, digo isso porque sou mãe e estou sentindo na pele a falta das minhas filhas. Mas não. Deus não vai permitir que pese em meus ombros algo que não fiz. Ter cuidado do bebê de Bruno foi o erro mais acertado e é a Deus que agradeço hoje por Bruno Samudio ter fôlego de vida”, leu a juíza.

Os advogados perguntaram desde quando a juíza e o promotor estavam com a carta, mas a resposta será apenas dada no final da audiência. Em depoimento, Dayanne disse que, antes de ser preso, Bruno Fernandes esteve em Belo Horizonte e se reuniu com a família.

Agência Estado
Detalhe da carta entregue por Dayanne Rodrigues ao Ministério Público

Segundo a acusada, o atleta chorou muito e disse que a carreira dele estava acabada, porque ele ira ser preso. Bruno ainda teria dito para ninguém falar nada com a imprensa, principalmente sua avó, conhecida como Dona Estela.

Dayanne diz que viu a modelo pela última vez no sítio do goleiro Bruno. No dia 10 de junho ela, levando o filho, saiu com Macarrão, o adolescente e Sérgio e não voltou mais. Apenas os três retornaram à Esmeraldas, com a criança.

Ainda de acordo com Dayanne, todos estavam tranqüilos, exceto o adolescente que estava muito assustado. Ainda não há previsão para o término do depoimento dela. Todos os advogados poderão fazer perguntas para todos os réus. 

No domingo, os advogados impetram um habeas corpus preventivo no Tribunal de Justiça de MG, para ter o direito de inquirir todos os réus porque na última sexta feira a magistrada teria dito que os advogados só poderiam fazer perguntas para os próprios clientes. Apesar do indeferimento do TJMG, todos os defensores farão perguntas porque a juíza Marixa Lopes voltou atrás para evitar possível recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ) futuramente.

    Leia tudo sobre: caso eliza samudiogoleiro brunoaudiência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG