Em meio à tragédia, Bruninho completa 5 meses

Com sumiço de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno, a guarda do bebê é alvo de disputa judicial entre avós

Nara Alves, iG São Paulo |

Neste sábado, Bruninho completa cinco meses de vida. O dia, no entanto, não deverá ser de festa. A mãe, Eliza Samudio, está desaparecida desde o início de junho e é dada como morta pela polícia. O pai, que pode ser o goleiro Bruno, está preso acusado de participação no sequestro e morte da ex-amante. O bebê, pivô do caso que chamou a atenção dos brasileiros nos últimos dias, é sobrevivente de uma história trágica de violência que envolve toda sua família.

Quatro meses antes de dar à luz, Eliza prestou queixa contra Bruno por agressão e disse à polícia que foi obrigada a tomar remédios abortivos. Mas os comprimidos falharam e no dia 10 de fevereiro nasceu a criança, batizada com o nome do goleiro. Eliza pediu na Justiça do Rio de Janeiro que comprovasse a paternidade de Bruno com um exame de DNA. O teste nunca foi feito e o bebê teve de ser registrado com “pai desconhecido”.

Em maio, o bebê e Eliza foram hospedados por Bruno em um apartamento no Rio de Janeiro até serem levados para o sítio do goleiro em Esmeraldas (MG). Dali, foram levados ao sítio de um ex-policial civil e adestrador de cães, onde, segundo a polícia, Eliza foi morta a mando do goleiro de forma cruel. E na frente do filho. Ainda de acordo com a polícia, a intenção era matar também a criança. Mas a vida de Bruninho foi poupada e o bebê foi levado pela mulher de Bruno, Dayanne Souza, a uma favela de Belo Horizonte.

nullResgatado na favela pela polícia, Bruninho foi entregue ao avô, Luís Carlos Samudio, que o levou para Foz do Iguaçu (PR). Duas semanas depois, Luís Carlos, que recorre de uma condenação em primeira instância por estupro de criança, perdeu a guarda do neto para a ex-mulher, Sônia Fátima Moura , que o levou a Campo Grande (MS). As viagens tiveram de ser monitoradas por um médico, já que Bruninho apresentava princípio de bronquite. Ele fez inalação e recebeu autorização do pediatra para sua terceira viagem interestadual em poucas semanas.

Luís Carlos e sua atual mulher, Silvia Oliveira, alegam que Sônia abandonou Eliza aos seis meses e que nunca se preocupou com a filha. Agora, Bruninho pode voltar a Foz do Iguaçu, já que o avô questionou a decisão da Justiça e pediu novamente a guarda do neto.

Caso a paternidade do goleiro seja comprovada, o responsável pela guarda da criança poderá requerer judicialmente pensão alimentícia. O atleta, que teve seu contrato suspenso pelo Flamengo, ganhava R$ 200 mil por mês.

    Leia tudo sobre: eliza samudiobrunocrimedayanne souza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG