'Eliza me pediu para cuidar do Bruninho', diz Bruno

"Mas línguas falam que tirei criança da mãe, mas eu aceitei ficar com ela", afirmou

Lecticia Maggi, enviada a Contagem |

Além de negar constantemente que Eliza tenha ficado em cárcere privado, o goleiro Bruno Fernandez afirmou que foi a ex-amante quem pediu para ele cuidar do filho dela por sete dias porque ela precisaria resolver um “problema pessoal”. “Mas línguas falam que tirei criança da mãe, mas eu aceitei ficar com ela”, afirmou.

O goleiro presta depoimento desde as 10h no Fórum de Contagem , região metropolitana de Belo Horizonte, na audiência que irá decidir se ele e os outros sete acusados pela morte de Eliza irão a júri popular.

Segundo ele, Eliza ligou, no dia 10 de junho, para uma amiga identificada por ele como Milena e disse que estava indo para São Paulo. ”Ela estava na varanda e eu sentado na poltrona ouvindo as ligações que ela estava fazendo”. Questionado se foi para capital que a ex-amante foi, Bruno respirou fundo, de forma enfadonha: “ela não entrou em detalhes, excelência”.

“Quando Eliza saiu, eu e Sergio estávamos tomando cerveja. Ela se despediu normalmente de mim, do Bruninho...”, disse e acrescentou que Macarrão foi levá-la a um ponte de táxi, mas não sabia dizer qual. “Eu e Sérgio estávamos lá no sítio, de lá não saímos”.

 Depois, ele afirma que foi a Angra dos Reis com jogadores do time 100% Futebol Clube e nega ter feito os comentários ditos por Sérgio em um dos seus primeiros depoimentos de que afirmou “Eliza já era. Acabou o tormento”. “Ninguém tocou no nome de Eliza”.

    Leia tudo sobre: goleiro brunoeliza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG