Eliza está viva, afirmam Bruno e Macarrão

"Eu jamais mataria, tenho duas filhas para criar", disse Bruno aos jornalistas, em Esmeraldas

Alessandra Mendes, especial para o iG |

AE
O ex-goleiro Bruno Fernandes em audiência de instrução, nesta terça-feira, no Fórum de Esmeraldas
O goleiro Bruno e o amigo dele, Luiz Henrique Romão, conhecido como Macarrão, falaram à imprensa nesta terça-feira. Eles responderam perguntas dos jornalistas durante mais uma audiência do processo em que respondem pelo desaparecimento e morte de Eliza Samudio. Os réus acompanharam em Esmeraldas, na Grande BH, o depoimento de três testemunhas de defesa de Bruno e uma da ex-namorada dele, Fernanda Gomes de Castro.

O jogador disse que Eliza está em São Paulo. "Eu jamais mataria, tenho duas filhas para criar. Da última vez ela falou que ia para São Paulo e ponto. Eu não sei dizer mais nada sobre essa pessoa". Bruno ainda declarou que tem esperanças de voltar a jogar futebol e depois chorou ao ser algemado.

O goleiro negou que tivesse cedido material genético para um exame de DNA que comprovaria a paternidade da criança. "Esse material não foi concedido, mas se precisar hoje ou amanhã fazer um exame de DNA, com certeza eu vou liberar esse material", falou.

Questionado, Bruno disse que o suposto valor de R$ 3 mil mensais que teria sido exigido por Eliza, "não é nada para ele". Se dirigindo aos antigos fãs, pediu um voto de confiança, "porque mais cedo ou mais tarde a verdade vai vir à tona". "As pessoas que conhecem a pessoa Bruno sabem da minha índole, sabem do homem que eu sou. Eu tenho duas filhas. Se essa criança realmente for minha, onde come um, comem dois, comem três. Eu vou amá-lo do mesmo jeito que amo minhas filhas", disse.

O goleiro reclamou do cumprimento da prisão preventiva. "Vocês têm que analisar o que está sendo feito com a gente, que na minha opinião é uma injustiça. Vocês veem vários outros casos que acontecem e nada, os caras estão soltos. Agora, você vai ao Fórum de Contagem e vê o absurdo que está sendo feito. Desculpe a palavra, mas é uma sacanagem".

Macarrão disse que ninguém matou a ex-amante do amigo. “Eliza está viva e a polícia está procurando a pessoa morta. A polícia precisa procurar a pessoa vida. É por isso que não acha”, afirmou Macarrão.

Bruno ainda declarou no Fórum de Esmeraldas que confia na Justiça de Deus, “A Justiça dos homens pode falhar, mas Deus está lá em cima vendo tudo. A dele não falha, não”. O goleiro ainda conversou em local reservado com a juíza Maria José Starling, que presidiu a audiência de hoje. O motivo da conversa não foi esclarecido para a imprensa.

Agora as oitivas do processo devem acontecer somente na primeira semana de novembro. Os réus devem ser interrogados no Fórum de Contagem a partir do dia oito de novembro.

Juíza

Bruno havia sido proibido de dar entrevista pela juíza Marixa Fabiane, do 1º Tribunal do Júri, de Contagem. Hoje, após a sessão em que foram ouvidas testemunhas - acompanhada por todos os réus - a juíza de Esmeraldas, Maria José Starling, surpreendeu ao defender a soltura do goleiro. "O Bruno teria de estar solto", disse. "Num dia disseram 'ele estava' (na suposta cena do crime), depois disseram 'não, ele foi embora'. Está um vai e vêm nesses depoimentos", afirmou, cobrando mais evidências do crime nos autos. 

"Todos os traficantes que mandei prender em Esmeraldas estão soltos. Aquele namorado da Mércia (Nakashima), um advogado, está solto, e lá tem evidências, tem corpo". Considerado o braço direito de Bruno, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, também falou com os jornalistas ao final da audiência e disse que Eliza queria "acabar com a vida" do amigo. "Ela falou que ia acabar com a vida do Bruno, mas ela está acabando com a vida de nove pessoas. Eu só queria que ela aparecesse porque todo mundo sabe que ela está viva. Eu tenho certeza que ela está viva", disse.

Anulação de depoimentos

O advogado do goleiro Bruno, Ércio Quaresma, disse nesta terça-feira que vai pedir na Justiça a anulação de todos os depoimentos que foram feitos até agora no processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samudio. Quaresma usa como argumento a matéria sobre o caso veiculada neste domingo (24/10), no programa Fantástico, da Rede Globo de Televisão.

A reportagem mostra o vídeo feito pela Polícia Civil de Minas Gerais no sítio de Bruno, quando foi realizada a reconstituição do crime feita com o primo do goleiro, Sérgio Rosa Sales. "Como posso ver em uma emissora de TV parte de uma investigação que sequer foi juntada nos autos. Dentro destas circunstâncias, só me resta pleitear ao juiz, se é que vou conseguir alguma coisa, a anulação dos depoimentos deste caso", explica Quaresma.

*com informações da AE

    Leia tudo sobre: caso brunoeliza samudio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG