Delegados não serão mais ouvidos em audiência de Bruno

Promotor pediu a dispensa das testemunhas, que foram acusadas de tortura pelo advogado do ex-goleiro do Flamengo

Alessandra Mendes, especial para o iG |

Os delegados que trabalharam na investigação do desaparecimento e morte de Eliza Samudio não vão mais prestar depoimento no processo realizado no Fórum de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O promotor Gustavo Fantini pediu que os delegados fossem dispensados porque foram acusados de tortura pelo advogado do goleiro na última sexta feira (8).

Alessandra Wilke, Ana Maria dos Santos e Edson Moreira falarão eventualmente no julgamento do tribunal do júri. Como a decisão na quinta-feira (14) foi nominativa, ainda não há definição sobre o delegado Wagner Pinto, que deve prestar depoimento após voltar de férias.

Simultaneamente, todos os advogados entraram com pedido de relaxamento de prisão dos réus, mas a solicitação foi negada. O advogado Zanone Oliveira, que defende Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, fez outro pedido à Justiça.

Oliveira queria o desmembramento do processo, ou seja, que Bola fosse julgado separadamente dos demais réus, mas o pedido foi indeferido.

Nesta sexta-feira, outras sete testemunhas arroladas pela defesa devem prestar depoimento. Entre elas, a escrivã que trabalhou nas investigações. Uma oitava testemunha foi arrolada pela defesa na quinta-feira, um policial civil lotado na delegacia de homicídios de Contagem que trabalhou na apuração do crime.

    Leia tudo sobre: eliza samudiogoleiro brunosequestro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG