Delegado critica postura do Ministério Público do Rio de Janeiro

Para Edson Moreira, ação precipitada deu chance de Bruno fugir

Alessandra Mendes, especial para o iG |

O chefe do Departamento de Investigações de Belo Horizonte, Edson Moreira, criticou hoje o Ministério Público do Rio de Janeiro que divulgou ontem o pedido de prisão temporária para o goleiro do Flamengo, Bruno Fernandes, por envolvimento no desaparecimento da ex-amante Eliza Samudio. Segundo Moreira, foi uma ação precipitada que deu a Bruno a chance de fuga. Nesta quarta-feira (7) a Justiça mineira decretou a prisão temporária do jogador, que não foi encontrado em sua casa no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste da capital fluminense. Agora, Bruno já é considerado foragido. O delegado acredita a situação poderia ter sido evitada se o pedido de prisão do jogador tivesse sido mantido em sigilo.

Ainda de acordo com Moreira, Bruno precisa ser preso porque estaria tentando atrapalhar as investigações sobre o desaparecimento de Eliza. O goleiro e outras testemunhas estariam sumindo com provas e aliciando testemunhas, uma delas seria o adolescente apreendido ontem na casa de Bruno, na Barra da Tijuca. Edson Moreria considera que a versão do menor é fantasiosa. O adolescente pode ter tido participação no crime, mas não da forma que narrou para a polícia carioca no depoimento de ontem. Seria então uma manobra para despistar os policiais do real foco do inquérito: o goleiro do Flamengo.

O Ministério Público do Rio (MPRJ) informou, por meio de nota, que não divulgou "nenhuma notícia sobre o pedido de prisão temporária do goleiro Bruno Souza, do Flamengo". "A notícia só foi veiculada no site do MPRJ após a decisão da Justiça, na data de hoje (07/07 - às 10h02), quando já estava amplamente divulgada", diz a nota.

Mulher e amigo de goleiro já estão presos

A mulher de Bruno, Dayanne Rodrigues Souza, de 23 anos, já está presa por envolvimento no caso. Ela foi detida no início da manhã de hoje e chegou a ligar para seu advogado, Ércio Quaresma, que vai entrar com habeas corpus ainda nesta quarta-feira. Dayanne foi encaminhada para o Centro de Remanejamento de Presos (Ceresp) na Região Centro-Sul da capital mineira. Cleiton Silva Gonçalves, amigo de Bruno que chegou a ser ouvido na semana passada, foi detido em casa, no bairro Liberdade, em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Cleiton estava dirigindo a Range Rover do jogador no dia 8 do mês passado quando o veículo foi apreendido. Foram encontrados vestígios de sangue no carro que passa por perícias.

Ércio Quaresma, além de defender Dayanne e Cleiton, também é advogado de Elenílson Vítor da Silva, caseiro do sítio de Bruno, Flávio Caetano de Araújo, outro motorista do jogador e Wemerson Marques, conhecido como Coxinha, amigo do jogador. Segundo Quaresma, todos eles tiveram mandado de prisão temporária expedido pela justiça.

Outro cliente de Quaresma, Luíz Henrique Romão, o Macarrão, está foragido. O advogado já afirmou que seu cliente não vai se entregar. A namorada de Macarrão, conhecida apenas como Georgete, também é cliente de Quaresma, e é a única que não é procurada pela Justiça mineira por envolvimento no sumiço de Eliza Samudio.

    Leia tudo sobre: BrunoEliza Samudiodesaparecimentogoleiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG