Caso Bruno: Na Justiça, menor volta atrás sobre esquartejamento

Primo de Bruno foi ouvido nesta sexta-feira pela Justiça e disse foi pressionado pela polícia em depoimento que acusou Bola

iG São Paulo |

O adolescente J., primo do ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes de Souza, que estaria envolvido no desaparecimento e morte de Eliza Samudio, deu outra versão para o que ocorreu com a modelo durante depoimento dado a juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, nesta sexta-feira, no Fórum de Contagem, em Minas Gerais.

AE
Os nove envolvidos no desaparecimento de Eliza Samudio no Fórum de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte
O menor disse que inventou a versão que Bola, outro acusado do crime, teria cometido o crime e dado partes do corpo de Eliza para cães comerem. Segundo o jovem, ele contou essa história porque seu pai é criador de cachorros e sabia que Bola também criava cães da raça Rottweiler. J. ainda afirmou que Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, não é o Bola que ele achava conhecer. O menor se desculpou com o acusado por ter envolvido seu nome no caso.

O adolescente já havia desmentido a primeira versão do crime em outro depoimento à polícia. Ele reafirmou que foi pressionado durante o primeiro depoimento à polícia e por isso contou a primeira versão do caso.

Na versão de hoje, o menor disse que viajou com Eliza do Rio de Janeiro a Belo Horizonte, que tiveram um desentendimento no carro e que ele chegou a  agredi-la. Mas afirmou que após chegarem ao sítio de Bruno, ele não mais a viu.

Já o delegado Julio Wilke, que foi ouvido na sequência do menor, disse que o primeiro depoimento do adolescente tinha riqueza de detalhes de alguém que já teria estado no local. Segundo o delegado, que participou da investigação do caso, ao chegar à casa de Bola, todas as descrições dada pelo menor em seu depoimento batiam.

Outras testemunhas de acusação foram ouvidas ao longo desta sexta-feira. Entre elas um agente da policia civil e dois caseiros do sítio do goleiro. A sessão começou por volta das 10h30 e foi presidida pela juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues.

Todos os acusados: Bruno, a mulher dele, Dayanne de Souza; Luiz Henrique Romão, o Macarrão; a também ex-amante do goleiro Fernanda Gomes de Castro; Elenílson Vitor da Silva, administrador do sítio do goleiro; Sérgio Rosa Sales, primo de Bruno; Flávio Caetano de Araújo; Wemerson Marques de Souza, o Coxinha; Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, estavam presentes à audiência. Exceto Bola - que responde por homicídio qualificado, formação de quadrilha e ocultação de cadáver - os demais respondem também por sequestro e cárcere privado, ocultação de cadáver e corrupção de menores.

Eliza está desaparecida desde o início de junho. Embora o corpo da jovem não tenha sido encontrado, o inquérito policial concluiu que ela foi assassinada por causa da cobrança pelo reconhecimento da paternidade de um bebê que seria fruto do relacionamento com Bruno.

AE
Goleiro Bruno veste uniforme durante audiência em Contagem (MG), na qual responde pelo sumiço e morte da ex-amante Eliza Samudio

Audiências

Este é o terceiro dia de audiência. Nove testemunhas foram ouvidas, na quinta-feira, pela juíza Ana Paula Lobo Pereira de Freitas, da comarca de Vespasiano. Ao todo, foram arroladas 21 testemunhas, sendo duas somente de acusação, três de acusação e pela defesa e 16 somente de defesa. Outras testemunhas serão ouvidas a partir da próxima quarta-feira, dia 13.

Nesta quinta-feira,  Bruno passou mal antes da sessão ter início mais uma vez. Segundo o TJ, ele se alimentou com um sanduíche e um refrigerante e foi atendido por bombeiros. Porém, como ele se recuperou rapidamente, não houve necessidade de ser encaminhado ao hospital.

Na manhã de quarta-feira, Bruno desmaiou e foi levado de ambulância ao pronto-socorro do Hospital João 23, em Belo Horizonte, para passar por exames neurológicos. Ele deixou o local por volta das 15h e voltou para a penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, onde está preso.

Segundo a Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), exames clínicos, de tomografia e um eletrocardiograma feitos no jogador ficaram dentro da normalidade e foi detectado apenas um quadro de sinusite moderada .

Depressão

Desde quando foi preso, em julho, o atleta recorrentemente tem passado mal e sofrido desmaios. A Superintendência de Administração Prisional (Suapi), da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), atribuiu os episódios a um quadro de depressão. O ex-goleiro vem sendo acompanhado por psicólogos.

Somente na semana passada, médicos do sistema penitenciário mineiro precisaram averiguar, em três oportunidades, informações de que ele havia se suicidado na cela da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, onde cumpre prisão preventiva.

Eliza está desaparecida desde o início de junho. Embora o corpo da jovem não tenha sido encontrado, o inquérito policial concluiu que ela foi assassinada por causa da cobrança do reconhecimento da paternidade de um bebê, que seria fruto do relacionamento com Bruno.

* com informações da Agência Estado

    Leia tudo sobre: Caso Brunoeliza samudio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG