Bruno pode ter de pagar multa ao Flamengo

Clube afirma que não vai processar goleiro, mas estuda quebra de contrato

iG Rio de Janeiro |

A assessoria do Clube de Regatas do Flamengo afirmou nesta segunda-feira que manteve a comissão de juristas para estudar como o clube poderá ser ressarcido caso haja quebra de contrato por parte do goleiro Bruno, detido por suposto envolvimento no desaparecimento e possível assassinato de Eliza Samudio. Por enquanto, segundo um assessor, a comissão irá somente acompanhar o caso até o final, para então, se necessário, pedir um valor pela quebra de contrato.

O empresário de Bruno, Eduardo Uram, por intermédio de sua assessoria, afirmou que caso isso ocorra a multa deverá ser paga pelo próprio jogador. Atualmente, a multa rescisória do contrato está estimada em R$ 9 milhões – valor que deveria ser pago ao Flamego caso o jogador quisesse ir para outro clube, por exemplo. No entanto, o valor estimado para a multa por quebra de contrato ainda será calculado.

Na última quarta-feira (7), segundo os policiais da Divisão de Homicídios, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, o goleiro teria afirmado que já havia um pré-contrato assinado com o clube italiano Milan.
A assessoria do Flamengo afirmou ao iG que a declaração do goleiro Bruno Fernandes, não é verdadeira.

De acordo com um dos assessores do clube, o técnico do Milan, Leonardo Araújo, havia citado três nomes de goleiros que possivelmente poderiam ocupar uma vaga no time, mas não houve sequer contato formal por parte do clube europeu.

*reportagem de Bruna Fantti, especial para o iG

    Leia tudo sobre: Eliza SamudioBrunogoleiroFlamengo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG