Bruno e Macarrão vão depor nesta sexta-feira

Após realizarem o exame de corpo delito, goleiro e amigo, acusados da morte de Eliza Samudio, passam a noite em presídio

iG São Paulo |

AE
O goleiro Bruno, do Flamengo, ao chegar ao Departamento de Investigações de Belo Horizonte

Duas horas após chegarem ao Departamento de Investigações de Belo Horizonte, o goleiro Bruno Fernandes e Luiz Henrique Romão, o Macarrão, foram encaminhados ao Instituto Médico Legal, localizado no bairro Gameleira, região oeste da cidade, para realizarem o exame de corpo delito.

De lá os acusados seguiram para a Penintenciária Nelson Hungria, onde passaram a noite - informação diferente da divulgada pela Polícia Cívil, que afirmou que eles permaneceriam no Centro de Remanejamento do Sistema Prisional anexo ao Departamento de Investigações.

A expectativa é que o goleiro Bruno, Luiz Henrique Romão e Marcos Aparecido dos Santos, que também está na penitenciária, sejam ouvidos nesta sexta-feira pela Polícia Civil.

Ércio Quaresma, advogado de Bruno, Macarrão e da mulher do goleiro, Dayanne de Souza, informou que deve entrar com o pedido de habeas-corpus somente na segunda-feira.

Chegada a BH

Ao som de gritos de “assassinos”, o goleiro Bruno e Luiz Henrique Romão, o Macarrão, chegaram às 23h35 ao Departamento de Investigações de Belo Horizonte, localizado no bairro São Cristóvão, região noroeste da cidade. Eles foram transferidos de avião do Rio de Janeiro, onde estavam presos no presídio de Bangu 2, no final da noite desta sexta-feira.

O chefe da divisão de homicídios, Edson Moreira, informou que Macarrão, o goleiro e o ex-policial civil Marcos Aparecido do Santos não seriam ouvidos durante a madrugada.

Marcos Aparecido dos Santos, segundo a polícia, seria o assassino de Eliza Samudio. Ele teria esquartejado a modelo e jogado parte do corpo para cães. Bola também teria escoltado o veículo Range Rover dirigido por Macarrão até o local do crime.

A rendição de Marcos aconteceu de forma pacífica. Conhecido como "Paulista", "Bola", "Russo" e "Nenem", ele teria dito que vai contar para o chefe do Departamento de Investigações, Edson Moreira, tudo que sabe. As equipes da polícia estavam preparadas para uma negociação ou reação da parte do suspeito, o que não aconteceu.

Promotoria

O Ministério Público (MP) do Estado do Rio informou que o promotor Homero das Neves Freitas Filho, da 1ª Central de Inquéritos, declinou da atribuição de apurar o possível crime de homicídio contra Eliza, em favor do Ministério Público do Estado de Minas Gerais. A medida considera que há conexão entre o sequestro ocorrido este ano, seguido de suposto homicídio, praticado sob a jurisdição das autoridades mineiras.

Com isso, a investigação sobre o suposto crime ficará a cargo do MP de Minas Gerais. Em relação à denúncia recebida pelo Juízo da 1ª Vara Criminal de Jacarepaguá na quarta-feira, Bruno e Macarrão continuam a responder a ação penal pelo sequestro e lesão corporal praticados em 2009 e subscrita pelo MP do Rio.

* Com informações de Edilene Lopes, Luisa Girão, iG Rio de Janeiro, e da Agência Estado

    Leia tudo sobre: caso brunominas geraisgoleiroflamengomacarrão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG