Bruno e Macarrão serão ouvidos nesta sexta pela Justiça

A audiência é relativa ao suposto sequestro e lesão corporal cometidos contra Eliza Samudio em outubro de 2009

Daniel Gonçalves e Bruna Fantti |

O ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes e seu amigo Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, chegaram às 11h15 desta sexta-feira na 1ª Vara Criminal de Jacarepaguá, na zona oeste da capital fluminense, para serem interrogados pela Justiça do Rio de Janeiro sobre o suposto sequestro da modelo Eliza Samudio.

A audiência estava prevista para começar às 13h, mas está atrasada e é relativa ao caso de outubro de 2009, sem relação com o processo que apura o desaparecimento da jovem em Belo Horizonte em junho deste ano. Esta será a segunda sessão referente ao processo originado com queixa prestada por Eliza na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam).

Além de Bruno e Macarrão, serão ouvidas sete testemunhas de defesa como o diretor-executivo do Flamengo, Zico; a presidente do clube, Patrícia Amorim; os jogadores do time rubro-negro Leonardo Moura, Rodrigo Alvim e Paulo Victor Mileo Vidotti; e os zagueiros Christian Chagas Tarouco e Álvaro Luiz Maior de Aquino.

Patrícia Amorim, Zico e Leonardo Moura chegaram juntos ao Fórum. Esta será a primeira vez que eles ficarão frente a frente com Bruno desde a prisão do goleiro.

O advogado de defesa do atleta, Ércio Quaresma, afirmou na entrada do local que Bruno vai repetir o que disse em depoimento na Deam e alegar inocência. Quaresma disse ainda que o goleiro pretende fazer em breve o teste de DNA para verificar se Bruninho é seu filho, conforme alegava Eliza.

O advogado Luis Arqueiro, que disse defender a mãe de Eliza, afirmou que ela deve comparecer à audiência acompanhada do filho que a modelo teria tido com Bruno.

"As testemunhas que estão aqui só querem construir uma imagem de bom moço para Bruno. É uma estratégia para diminuir a pena dele. Pode até funcionar, mas com certeza ele será condenado”, afirmou o promotor do caso, Eduardo Paes. Ele quer acrescentar ao processo os crimes de tráfico de drogas (pela suposta substância abortiva que o goleiro é suspeito de fazer Eliza ingerir) e subtração de documentos.

Na primeira audiência, realizada no dia 26 de agosto, Bruno e Macarrão não foram ouvidos. Os dois respondem pelos crimes de sequestro e lesão corporal contra a jovem, com quem o jogador teve um relacionamento extraconjugal.

    Leia tudo sobre: eliza samudiogoleiro brunosequestromacarrão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG