Amante de Bruno recebe alta e volta para penitenciária

Médica afirma que são poucas as chances de Fernanda ter sofrido um aborto. O resultado do exame sai em 10 dias

Alessandra Mendes, especial para o iG |

A amante do ex-goleiro do Flamengo Bruno, Fernanda Gomes de Castro, de 32 anos, retornou à penitenciária Estêvão Pinto por volta das 12h desta segunda-feira. A mulher havia sido levada para a maternidade Octaviano Neves após passar mal neste domingo (8). Segundo a ginecologista e obestetra Emilse Perecini, Fernanda realizou um exame anatopatológico e se submeteu a uma raspagem do útero. Alguns nódulos foram retirados. O resultado do exame sai em 10 dias. A médica informou que são poucas as chances de Fernanda ter sofrido um aborto e que o mal estar pode ter sido ocasionado por disfunção hormonal ou estresse. De acordo com Perecini, Fernanda está fazendo uso de métodos contraceptivos para regular o ciclo menstrual.

O advogado de Fernanda, Ércio Quaresma, já havia dito que haveria possibilidade da sua cliente estar grávida. Um exame de ultrassonografia a que ela foi submetida, porém, não detectou nenhum feto. Quaresma informou que deve entrar com um pedido de habeas corpus para Fernanda até quarta-feira. Ela é uma das nove pessoas que responderão processo pelo suposto sequestro e morte de Eliza Samudio, ex-amante de Bruno e com quem ele teria um filho.

Além de Fernanda, estão presos também o goleiro; a mulher dele Dayanne Aparecida Rodrigues do Carmo; Sérgio Rosa Sales, primo dele; Wemerson Marques de Souza, o Coxinha; Flávio Caetano de Araújo; Elenílson Vitor da Silva, caseiro do sítio de Bruno; Luiz Henrique Ferreira Romão, conhecido como Macarrão; e o ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, apontado como executor de Eliza.

AE/DANIEL IGLESIAS
Fernanda Gomes de Castro passou mal na prisão na tarde deste domingo e foi levada para receber atendimento médico

À exceção de Bola, todos foram denunciados por homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado na forma qualificada, ocultação de cadáver e corrupção de menor. O sequestro e cárcere privado se referem ao crime cometido contra Bruninho, filho de Eliza. No entendimento do promotor Gustavo Fantini, responsável pela denúncia, o sequestro e cárcere privado de Eliza acabam suprimidos pelo crime maior, o homicídio.

Já Bola foi denunciado somente por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Um primo do atleta, de 17 anos, também está apreendido e teve representação apresentada à Justiça com pedido de internação por até três anos.

Segundo a polícia, Fernanda foi encarregada de cuidar de Eliza e do bebê enquanto ela foi mantida em cárcere privado na casa do atleta, no Rio de Janeiro, e depois em um sítio do goleiro em Esmeraldas, na região metropolitana de Belo Horizonte.

*Com informações da Agência Estado

    Leia tudo sobre: eliza samudiogoleiro brunodesaparecimento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG