Assef Filho disse que defende o Flamengo, o que gera um conflito de interesses

O advogado Michel Assef Filho informou na manhã desta quinta-feira que não vai mais defender o goleiro Bruno no caso do desaparecimento de Eliza Samudio, de 25 anos. Segundo ele, há um conflito de interesses que o impede de continuar. “Eu o defendia porque eu defendo o Clube [de Regatas Flamengo] e ele era patrimônio do clube, um dos jogadores mais valiosos do elenco. Quem vai cuidar do caso agora é o Dr. Ércio Quaresma”, disse, referindo-se ao advogado que defende Luiz Henrique Romão, o Macarrão.

Assef Filho disse também que não entrou com pedido de habeas-corpus para o atleta. “O Dr. Ércio é quem vai tratar desse assunto", garantiu. O advogado do Flamengo permaneceu na Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio, na Barra da Tijuca, zona oeste da capital fluminense, por aproximadamente uma hora. Ele disse que Bruno recebeu bem a notícia e que o goleiro está estarrecido com o depoimento do primo, o menor J., de 17 anos, que confessou ter participado do sequestro de Eliza, ex-amante do atleta.

Por volta das 10h30, um delegado da carceragem da Polinter do Andaraí chegou à Divisão de Homicídios para acompanhar uma possível transferência do goleiro. Se Bruno e Macarrão não forem encaminhados para Belo Horizonte (MG), eles serão levados para a Polinter. O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) deve decidir ainda hoje onde os presos vão ficar. A situação será analisada pela 38ª Vara Criminal.

Prisão

Bruno e Macarrão se entregaram no final da tarde desta quarta-feira à carceragem da Polinter, no Andaraí, zona norte do Rio. De lá, os dois seguiram para a Divisão de Homicídios, onde deveriam prestar depoimento. Na chegada dos dois à delegacia houve grande tumulto e os policiais tiveram que fazer um cordão de isolamento para que o jogador e o amigo entrassem na delegacia. Cerca de 200 pessoas estavam em frente à Divisão de Homicídios e hostilizaram os dois com gritos de "assassinos".

Na delegacia, Bruno e Macarrão falaram separadamente por cerca de 20 minutos cada e se negaram a prestar depoimento. Ambos disseram que só irão prestar esclarecimentos em juízo. Eles estão presos em celas separadas, de aproximadamente oito metros quadrados cada uma.

O jogador do Flamengo foi indiciado pela Justiça do Rio como o mandante do sequestro de Eliza Samudio, de 25 anos, com quem teve um relacionamento extraconjugal. Já Macarrão foi indiciado como um dos executores do crime, junto com o adolescente de 17 anos, primo do goleiro, e prestou depoimento na última terça-feira, confessando envolvimento no caso.

Depoimento

O menor de idade foi apreendido na última terça-feira na casa de Bruno e confessou, em depoimento à polícia, seu envolvimento no sequestro de Eliza Samudio. De acordo com informações da polícia, ele teria confirmado que a jovem está morta.

O jovem, cuja identidade não foi divulgada, reconheceu que participou com "Macarrão" do sequestro da ex-amante do atleta. Segundo a polícia, ele relatou que a ex de Bruno foi colocada à força em uma caminhonete de propriedade do jogador que era dirigida por Macarrão. O menor teria dito que estava escondido no carro e deu uma coronhada em Eliza, que discutia com o amigo de Bruno, mas não relacionou isso à morte dela.

O jovem foi detido depois que seus próprios parentes alertaram a polícia que ele estava escondido na casa de Bruno, no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.