Adolescente inventou a morte de Eliza, afirma advogado

Menor, primo de Bruno, teria mentido em depoimentos sob coação da polícia

Alessandra Mendes, especial para o iG |

O advogado Eliézer Almeida Lima, que defende o adolescente de 17 anos, primo de Bruno, e acusado de envolvimento no sequestro e suposto assassinato de Eliza Samudio, afirmou, nesta quinta-feira (22), que, sob coação da polícia, o menor inventou a versão do assassinato de Eliza nos quatro depoimentos prestados aos promotores e aos delegados do caso.

Segundo Lima, o menor teria fantasiado sua versão a partir do momento em que saiu do sítio do goleiro Bruno, em Esmeraldas, em Minas Gerais, para a casa do ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, pois estava “sob pressão e com medo de apanhar da polícia”.

Nos depoimentos oficiais prestados, o menor afirma que, após ajudar Luiz Henrique Romão, o Macarrão, a sequestrar Eliza e seu filho no Rio de Janeiro, e mantê-la presa no sítio do goleiro Bruno em Esmeraldas (MG), acompanhou Macarrão e Sérgio Sales (também primo de Bruno) até a casa de Bola, onde ela teria sido assassinada. 

Já para o advogado, disse que realmente ajudou no seqüestro e a manter em cárcere Eliza e seu filho no sítio de Bruno, mas teria inventado o restante do depoimento. Disse, inclusive, não conhecer Bola e que inventou o modo como ela foi morta.

O menor teria dito, ainda, que apanhou dos policiais da Divisão de Homicídios (DH), após ser apreendido na casa de Bruno, no Recreio dos Bandeirantes e também por agentes da polícia de Minas Gerais. 

Essa afirmação é contraditória ao relato do tio do menor que, em entrevista ao iG , disse que seu sobrinho “foi super bem tratado pelos policiais”, em relato contado logo após a volta do adolescente de Minas Gerais, quando o menor apontou o local onde Eliza teria sido morta.

    Leia tudo sobre: bOLAPOLÍCIAMENOR

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG