Bruno poderá voltar aos gramados em julho, diz advogado do goleiro

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Adolfo esteve no Fórum de Contagem (MG), onde o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, está sendo julgado por matar e desaparecer com o corpo de Eliza Samudio

Agência Estado

TJMG
Bruno Fernandes, ex-goleiro do Flamengo

O advogado do goleiro Bruno Fernandes, Lúcio Adolfo da Silva, disse que seu cliente está perto de conseguir a prisão domiciliar para voltar a jogar futebol, o que deve ocorrer, segundo ele, "em julho" próximo. Adolfo esteve nesta quarta-feira (24) no Fórum de Contagem (MG), onde o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, está sendo julgado desde segunda-feira (22) acusado de matar e desaparecer com o corpo de Eliza Samudio.

Mais: Defesa de Bruno deve usar prisão de jurada por tráfico em habeas corpus

Adolfo justifica seu otimismo com o fato de que a sentença de Bruno, condenado em março a 22,3 anos de prisão por mandar matar Eliza, já ter chegado à Vara de Execuções Provisórias de Contagem, o que retira a juíza Marixa Rodrigues de qualquer deliberação sobre o caso. "A guia de execução provisória do Bruno foi expedida e foi encaminhada para a Vara de Execuções Provisórias daqui de Contagem, e se sujeita agora ao juiz Wagner Cavalieri", disse o advogado de Bruno.

1º júri: Macarrão pega 15 anos de prisão por morte de Eliza. Fernanda responde livre
2º júri: Bruno é condenado a 22 anos e 3 meses de prisão. Dayanne é absolvida

Para o advogado, a juíza tem demonstrado morosidade no envio do processo para o Tribunal de Justiça e isso tem prejudicado Bruno. "Já deveria ter sido encaminhado há mais de um mês. Essa demora, inclusive, é possível que eu leve isso ao conhecimento do tribunal para um habeas corpus em favor do Bruno", afirmou Adolfo. Ele também protesta contra a negativa da juíza em analisar as razões de sua apelação contra a emissão do atestado de óbito de Eliza.

Júri do Bola é formado por quatro homens e três mulheres em Contagem
1° dia: Defesa de Bola tenta apontar falhas em investigações da morte de Eliza Samudio
2º dia: Presidiário confirma que Bola admitiu que matou e queimou o corpo de Eliza

Além das apelações, Adolfo vai a Brasília defender o habeas corpus pedido ao Supremo Tribunal Federal para prisão domiciliar a Bruno. "Ele tem que pagar pensão do Bruninho e de outras duas filhas. Então eu acredito que o tribunal, diante da realidade do Bruno, que é de extrema visibilidade, não vai fugir. Acredito que até o fim de julho ele poderá voltar a jogar a bola." Segundo ele, o Boa Esporte Clube, de Varginha, no Sul de Minas, mantém o interesse em contratar Bruno.

Leia tudo sobre: GERALcaso Brunogoleiro BrunoEliza SamudioBolajulgamento

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas