Zezé participou da morte de Eliza, diz Dayanne

Por Ricardo Galhardo e Carolina Garcia - enviados a Contagem (MG) | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-mulher do goleiro Bruno é novamente interrogada no Fórum Criminal de Contagem e acusa o ex-policial José Lauriano de envolvimento no assassinato da modelo

Renata Caldeira / TJMG
Dayanne Rodrigues chora durante depoimento no quarto dia de julgamento no Fórum de Contagem (MG)

Dayanne Rodrigues, ex-mulher do goleiro Bruno Fernandes, disse hoje, no quarto dia de julgamento do ex-jogador do Flamengo, que o ex-policial José Lauriano, o Zezé, também participou do assassinato de Eliza Samudio.

Saiba tudo sobre o Caso Bruno

“Foi como o Bruno disse. Ele (Zezé) está envolvido. Se ele é essa pessoa perigosa eu temo pela vida das minha filhas”, disse ela, que chorava muito antes de começar a falar.

Dayanne foi reinquirida a pedido de seu próprio advogado de defesa, Tiago Lenoir. O novo interrogatório faz parte de uma negociação feita com o promotor Henry Vasconcelos ontem à noite, depois do depoimento de Bruno. Ela é acusada de sequestrar o filho do goleiro com Eliza.

Além de acusar Zezé de ter participado do assassinato, Dayanne disse que o ex-policial a ameaçou por telefone dizendo que ela não deveria, “em hipótese alguma” entregar o menino à Justiça. Com as novas declarações, os advogados de Dayanne vão alegar que ela sofreu “coação moral irresistível” e seja absolvida da acusação de sequestro.

Segundo o promotor, existe a possibilidade de que o goleiro também volte a depor ainda hoje e revele novas informações sobre o crime que possam incriminar outros suspeitos de participação no assassinato de Eliza. Ontem o goleiro afirmou que o também ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, foi o executor de sua ex-amante.

Passado o julgamento de Bruno, Bola e Zezé serão os principais alvos do Ministério Público. O primeiro será julgado em abril. O segundo é alvo de um inquérito policial e também deve ser denunciado pelo promotor. Zezé participava de um grupo de pagode que se apresentava frequentemente em festas do goleiro e teria sido o responsável por apresentar Bruno e Luiz Henrique Romão, o Macarrão, a Bola.

Leia tudo sobre: goleiro brunoeliza samudiocrimeassassinato

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas