Objetivo do novo depoimento nesta quinta-feira foi ajustar o discurso da defesa para a fase dos debates

Bruno admitiu na manhã desta quinta-feira que sabia que Eliza Samudio seria assassinada
Renata Caldeira / TJMG
Bruno admitiu na manhã desta quinta-feira que sabia que Eliza Samudio seria assassinada

O goleiro Bruno Fernandes admitiu na manhã desta quinta-feira que sabia de antemão que Eliza Samudio seria assassinada. A nova versão abre caminho para que o ex-goleiro do Flamengo tenha a pena reduzida. “Sabia e imaginava. Pelas brigas constantes, pelo fato de ter entregue o dinheiro ao Macarrão”, disse ele.

Leia também: Bruno admite que sabia da morte de Eliza e incrimina Macarrão e Bola

O objetivo do novo depoimento foi ajustar o discurso da defesa para a fase dos debates, que começou por volta das 11h30. Os advogados vão alegar que Bruno se omitiu diante do plano de Luiz Henrique Romão, o Macarrão, de assassinar Eliza.

“Percebi na imprensa hoje que havia dúvida sobre a omissão do Bruno. Faltou dizer que ele sabia? Então ele disse que sabia”, afirmou o advogado Lucio Adolfo.

Adolfo e o promotor Henry Vasconcelos bateram boca no plenário sobre a possibilidade de que tenha havido um acordo para que Bruno tivesse a pena reduzida e sua ex-mulher Dayanne Rodrigues, acusada de ter sequestrado o filho de Eliza, fosse absolvida.

“Não faça cena diante do júri porque nunca houve acordo”, disse o promotor.

Apesar da negativa, informações sobre um possível acerto em torno da absolvição de Dayanne circulam há pelo menos dois dias. Na terça-feira fontes do Ministério Público e da defesa disseram ao iG que havia uma negociação para que Dayanne entregasse o ex-policial José Lauriano, o Zezé, em troca da absolvição.

Zezé é objeto de um inquérito por supostamente ter participado do crime. Ele e Macarrão trocaram dezenas de telefonemas às vésperas do assassinato.

Segundo fontes do MP e da defesa, caberá ao advogado José Arteiro, assistentes de acusação por parte da mãe de Eliza, Sonia de Moura, pedir a absolvição da ex-mulher de Bruno. A defesa de Dayanne vai usar a tese da “coação moral irresistível”, ou seja, que ela foi ameaçada por Zezé a ficar com o filho de Eliza em vez de entrega-lo à Justiça.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.