Com cabeça baixa e chorando, Bruno ganha bíblia e é consolado pela mulher

Por Carolina Garcia - enviada a Contagem | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-goleiro é julgado pelo desaparecimento e morte de Eliza Samudio no Fórum Criminal de Contagem, em Minas Gerais

Cristiane Mattos/Futura Press
Bruno fica de cabeça baixa no plenário onde é realizado o julgamento

O ex-goleiro Bruno Fernandes entrou no salão do júri, no Fórum Criminal de Contagem, em Minas Gerais, pouco antes do sorteio de jurados ser realizado. Com o conhecido uniforme vermelho da Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi) e chinelos, o jogador optou por ficar de cabeça baixa e não olhar para a plateia, como fez na primeira fase do julgamento do caso, em novembro do ano passado. E assim Bruno permaneceu por mais de 10 minutos.

Leia mais sobre o Caso Bruno

Entre choros e cumprimentos, que recebia dos advogados de defesa no plenário, Bruno manteve o olhar fixo para o chão e evitou olhar para a ex-mulher, também ré no processo e que está sentada ao seu lado, Dayanne Rodrigues. Em certo momento, Dayanne até arriscou olhar para o ex, mas não foi correspondida. Vestindo uma camisa branca e calça jeans, Dayanne agora apresenta cabelos mais longos que há três meses.

Após alguns minutos, Lúcio Adolfo da Silva, responsável pela defesa de Bruno, pediu a autorização da juíza Marixa Fabiane Rodrigues para oferecer uma bíblia ao seu cliente. Bruno aceitou, abriu o zíper do livro e passou a folheá-lo, como se buscasse um trecho específico. Sem sucesso, recebeu o conforto da sua atual mulher, Ingrid Calheiros, que o observava atentamente da plateia desde sua entrada.

Ao receber autorização para aproximar-se do réu, Ingrid chegou até Bruno e lhe deu um beijo. Os dois começaram a conversar, Ingrid com a mão na perna e rosto de Bruno. O encontro durou pouco mais de três minutos e o jogador voltou a encarar o piso e a manusear a bíblia. Foi, então, auxiliado pelo seu outro defensor Tiago Lenoir, que indicou um trecho. "Leia esse aqui", disse o advogado. Com um lenço, cedido pelos seus defensores, Bruno enxugou as lágrimas e leu o texto.

Leia também: Juíza rejeita tentativa da defesa de Bruno para adiar o julgamento

Advogados de defesa riem na saída do Fórum Criminal de Contagem (MG), após a leitura da sentença. Foto: Cristiane Mattos/Futura PressO goleiro Bruno no momento em que ouvia a sentença dada pela juíza. Foto: iG São PauloA mãe de Eliza Samudio, Sônia Fátima Moura, durante o quarto dia de julgamento no Fórum de Contagem. Foto: Cristiane Mattos/Futura PressJuíza Marixa Lopes Rodrigues faz a leitura da sentença na madrugada de sexta-feira (8). Foto: Marcelo Albert/TJMGEx-goleiro Bruno aguarda leitura da sentença no Fórum Criminal de Contagem (MG) na madrugada desta sexta-feira (8). Foto: Renata Caldeira/TJMGDurante julgamento, que terminou na madrugada desta sexta, Bruno demostrou cansaço e tensão . Foto: Renata Caldeira / TJMGO promotor, Henry Vasconcelos, gesticula durante julgamento do goleiro Bruno . Foto: Marcelo Albert/TJMGPromotor afirmou que esperava que a pena de Bruno ficasse entre 28 e 30 anos. Foto: Marcelo Albert/TJMGAdvogado de defesa, Lúcio Adolfo durante julgamento. Bruno foi condenado a 22 anos e 3 meses de prisão. Foto: Marcelo Albert/TJMGAdvogados de defesa do goleiro Bruno e de Dayanne conversam durante sessão desta quinta-feira. Foto: Renata Caldeira / TJMGEx-mulher de Bruno afirma ter medo de Zezé. Dayanne Rodrigues foi novamente interrogada nesta quinta-feira (7). Foto: Cristiane Mattos/Futura PressBruno admitiu na manhã desta quinta-feira que sabia que Eliza Samudio seria assassinada. Foto: Renata Caldeira / TJMGDayanne chora durante depoimento no quarto dia de julgamento no Fórum de Contagem (MG). Foto: Renata Caldeira / TJMGEx-goleiro Bruno durante o quarto dia de julgamento no Fórum de Contagem (MG), na manhã desta quinta-feira (7). Foto: Pedro Vilela/Futura PressBruno chega ao Fórum criminal de Contagem (MG)nesta quinta-feira (7). Foto: Alexandre Brum / Agência O Dia"Estou tranquila. Para Deus nada é impossível" , disse a esposa de Bruno, Ingrid Calheiros, no quarto dia de julgamento. Foto: Cristiane Mattos/Futura PressBruno chora e nega ter mandado matar Eliza . Foto: Renata Caldeira/TJMGBruno chora ao ser interrogado nesta quarta-feira, em Contagem. Foto: Renata Caldeira / TJMGO jogador ouve a pergunta do advogado de defesa, Lúcio Adolfo, no terceiro dia de julgamento. Foto: Marcelo Albert/TJMGBruno chora ao depor nesta quarta-feira, durante o julgamento. Foto: Marcelo Albert/TJMGO goleiro no terceiro dia de julgamento, no Fórum Criminal de Contagem (MG). Foto: Marcelo Albert/TJMG Bruno interrompe depoimento durante julgamento no Fórum de contagem (MG) e chora. Foto: Renata Caldeira / TJMGBruno é interrogado nesta quarta-feira (6) sobre assassinato de Eliza Samudio. Foto: Renata Caldeira/TJMGDayanne acompanha depoimento de ex-marido nesta quarta-feira (6). Foto: Renata Caldeira / TJMGBruno permaneceu de cabeça baixa a maior parte do tempo no julgamento no Fórum Criminal de Contagem (MG). Ex-goleiro dá depoimento sobre assassinato de Eliza Samudio nesta quarta-feira (6). Foto:  Pedro Vilela/Futura PressEx-goleiro Bruno durante julgamento nesta quarta-feira (6). Foto: Bernardo Salce/Futura PressA ex-namorada de Luiz Henrique Ferreira Romão, em frente ao fórum Criminal de Contagem. Foto: Lucas Prates/Hoje em Dia/Futura PressO promotor Henry Vasconcelos (E) e a juíza Marixa Rodrigues durante o terceiro dia de julgamento no Fórum de Contagem (MG). Foto: Pedro Vilela/Futura PressBruno e Dayanne acompanham trechos de vídeos sobre o caso. Foto: Renata Caldeira / TJMGO advogado Lúcio Adolfo, durante sessão do júri, ao lado da atual mulher de Bruno, Ingrid Oliveira. Foto: Marcelo Albert/TJMGA ex-mulher de Bruno, Dayanne Rodrigues, neste segundo dia de julgamento. Foto: Renata Caldeira / TJMGAo fundo, Bruno e Dayanne acompanham o depoimento de Célia. Foto: Renata Caldeira / TJMGIngrid Calheiros aguarda julgamento ser iniciado nesta terça-feira (5). Foto: Alexandre Brum / Agência O DiaDayanne Rodrigues, julgada pelo desaparecimento e morte de Eliza Samudio, demostra cansaço nesta terça-feira (5). Foto: Alexandre Brum / Agência O DiaBruno e Dayanne aguardam início do julgamento nesta terça-feira (5). Foto: Alexandre Brum / Agência O DiaEx-goleiro Bruno chora durante julgamento na manhã desta terça-feira (5). Foto: Douglas Magno/O Tempo/Futura PressÉrcio Quaresma (E), advogado de Bola, e José Arteiro, advogado da família de Eliza Samudio, conversam na entrada do Fórum de Contagem (MG). Foto: Alexandre Brum / Agência O DiaAdvogado de Bruno, Lucio Adolfo chega Fórum de Contagem (MG) para o julgamento do caso Bruno. Foto: Cristiane Mattos/Futura PressMulher do ex-goleiro Bruno, Ingrid Calheiros após falar com imprensa na entrada do do Fórum de Contagem (MG). Foto: Cristiane Mattos/Futura PressMulher do ex-goleiro Bruno, Ingrid Calheiros fala com a imprensa na chegada ao Fórum de Contagem. Foto: Cristiane Mattos/Futura PressChegada do ex-goleiro Bruno no Fórum de Contagem (MG) nesta terça-feira contou com o apoio de policiais. Foto: Pedro Vilela/Futura PressCuriosos observam movimentação em frente ao Fórum de Contagem (MG) nesta terça-feira (5). Foto: Cristiane Mattos/Futura PressBruno chora durante julgamento no Fórum de Contagem. Foto: Alex de Jesus/O Tempo/Futura PressAdvogado Tiago Lenoir mostra trecho da bíblia a Bruno em julgamento em Contagem. Foto: Rodrigo Lima/O Tempo/Futura PressBruno fica de cabeça baixa no plenário onde é realizado o julgamento. Foto: Cristiane Mattos/Futura PressUma das poucas vezes que o goleiro ergueu a cabeça no início do primeiro dia de julgamento. Foto: Renata Caldeira/TJMGBruno e Dayanne durante sessão desta segunda-feira, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. Foto: Renata Caldeira / TJMGMãe de Eliza Samudio Sonia Samudio chega para o julgamento no Fórum de Contagem (MG) nesta segunda-feira (4). Foto: Futura PressFórum de Contagem, em Minas Gerais, recebe reforço na segurança por causa do julgamento do ex-goleiro Bruno. Foto: Futura PressGilmara Oliveira, de 35 anos, protesta em frente ao Fórum de Contagem (MG), na manhã desta segunda-feira (4). Foto: Futura PressMulher de Bruno, Ingrid Calheiros chega para o julgamento ao Fórum de Contagem (MG), nesta segunda-feira (4). Foto: Futura PressEx-mulher de Bruno, Dayanne Rodrigues é acusada de sequestro e cárcere de Bruninho. Foto: Futura PressÉrcio Quaresma chega para o julgamento no Fórum de Contagem (MG), na manhã desta segunda-feira (4). Foto: Futura PressJosé Arteiro é advogado da família de Eliza Samudio. Foto: Samuel Costa/Hoje Em Dia/Futura PressLucio Adolfo é advogado do ex-goleiro Bruno. Foto: Samuel Costa/Hoje Em Dia/Futura Press

A postura do réu surpreendeu a todos no plenário já que em muitas situações do caso Eliza Samudio ele foi visto com a cabeça erguida e mantendo contato visual com os jornalistas. Ao iG, dias antes do júri, Lenoir chegou a comentar que seu cliente "não era arrogante como todos pensam". "Ele entra com a cabeça erguida assim porque não deve nada e não tem medo", disse à epoca. Há rumores que Bruno teria mudado sua postura por uma orientação de sua defesa a fim de mudar a imagem do jogador diante dos jurados.

Conselho de Sentença

Os réus acompanharam o sorteio do Conselho de Sentença, composto por sete moradores da cidade de Contagem (MG). Ao serem sorteados, os jurados foram colocados em mesas ao lado do promotor Henry Vasconcelos e os assistentes de acusação. Após sorteio e uso de vetos, cada réu e promotoria têm direito a três eliminações, o conselho foi formado. No total, cinco mulheres e dois homens decidirão o futuro de Bruno e Dayanne.

Leia tudo sobre: goleiro brunocrimejulgamentobruno

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas