Advogados do ex-policial Bola, suspeito de ser o executor de Eliza Samudio, clamaram 'cerceamento de defesa' e disseram que foram proibidos de participar de júri popular

Macarrão durante seu julgamento em Contagem
TJMG
Macarrão durante seu julgamento em Contagem

O desembargador Delmival de Almeida Campos, da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, negou o pedido de anulação do julgamento de Luiz Ferreira Romão, o Macarrão, e Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do goleiro Bruno Fernandes. O pedido foi feito pela defesa de Bola e julgado em caráter de urgência na quarta-feira (28).

Saiba tudo sobre o Caso Bruno

Os réus foram condenados a 15 e a 5 anos, respectivamente, pelo desaparecimento de Eliza Samudio. Fernanda responde ao processo em liberdade.

Em liminar, os defensores clamaram “cerceamento de defesa” e disseram ainda que eles foram impedidos pela juíza Marixa Fabiane Lopes de participar dos trabalhos após o desmembramento de Bola. No texto da decisão, o desembargador afirmou ter consultado a magistrada. Ela teria explicado que o pedido para participar do júri não foi feito pessoalmente - como normalmento é feito - e foi apenas oficializado no dia 22 à noite, penúltimo dia do júri.

Leia também:  Macarrão pega 15 anos de prisão por morte de Eliza

Mesmo se fosse aceito, tal pedido dos advogados não teria mais finalidade, segundo a juíza, já que a partir daquela data o período de debates havia sido iniciado. Naquele momento, só os advogados de Macarrão e Fernanda e a promotoria teriam a palavra. Em outros momentos dos trabalhos, representações de outros réus podiam interromper e fazer perguntas. “Considerando essas informações indefiro por entender que seu enfrentamento é de competência da turma julgadora”, disse o desembargador no texto.

Nova manobra

O recurso dos defensores Fernando Magalhães, Zanone Manuel e Ércio Quaresma foi considerado pelos magistrados como uma nova manobra para atrasar o processo do caso, que já foi bastante movimentado e polêmico. A primeira fase do julgamento da morte da ex-modelo durou cinco dias e foi realizado no Fórum Criminal de Contagem.

Já no primeiro dia dos trabalhos, dia 19 de novembro, os defensores de Bola pediram o desmembramento do processo e Quaresma chegou a abandonar o plenário. Seus colegas o acompanharam. Considerado ‘indefeso’, Bola negou representação da Defensoria Pública e teve seu júri adiado para 4 de março – ao lado do goleiro Bruno Fernandes e Dayanne Rodrigues.

Procurada pela reportagem, os advogados de Bola não foram encontrados para comentar a decisão. Segundo a assessoria do TJ, o pedido deverá ser julgado ainda por outros três desembargadores, que derão uma posição definitiva. Ainda não há uma data para uma nova análise da liminar. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.