Fernanda assume ter mentido ao depor e diz que não via Eliza como rival amorosa

No único depoimento dado neste quarto dia de julgamento, ex-namorada do goleiro confirmou as declarações de Macarrão no julgamento, durante a madrugada

Carolina Garcia e Ricardo Galhardo - enviados a Contagem (MG) | - Atualizada às

Sem choro e com a Bíblia e o terço deixados de lado, Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada de Bruno Fernandes, foi a única pessoa interrogada neste quarto dia de julgamento no Fórum Criminal de Contagem, na região de Belo Horizonte. Confirmando toda a versão dada por Macarrão durante a madrugada , Fernanda disse que não houve cárcere ou sequestro de Eliza Samudio. No entanto, confessou ter mentido “em alguns pontos” ao prestar depoimento na delegacia, em 2010, pois “estava com medo e apreensiva”. Seu interrogatório durou por mais de três horas.

Saiba tudo sobre o julgamento
1º dia: Desgastante, primeiro dia de julgamento do caso Bruno é pouco produtivo
2º dia: Decisão de Bruno e denúncia de promotor surpreendem no 2º dia de julgamento
3º dia: Depoimento de Macarrão encerra o dia mais longo do julgamento

Pedro Vilela/Futura Press
Movimentação na sala onde os réus são julgados

Neste julgamento, a ré é acusada de sequestro e cárcere privado de Eliza e do filho, Bruninho, de apenas quatro meses, à época. O depoimento começou, por volta das 14h30, com Fernanda mais calma. Em apenas um momento do interrogatório, a acusada foi aconselhada a não responder a pergunta do promotor Henry Wagner de Castro, do Ministério Público. O promotor questionou: “Você foi orientada a mentir, Fernanda?” Nesse momento, a defensora Carla Silene e seu assistente pediram ordem à juíza, que respondeu: “Ela tem o direito de ficar calada, senhores”. Fernanda acolheu e ficou calada. Porém, segundos depois, decidiu explicar que havia mentido apenas “em alguns pontos” no primeiro depoimento dado à polícia em 2010.

“Estava com medo e apreensiva. Via meu nome aparecendo na mídia toda hora. Tenho dois filhos adolescentes, me preocupei por eles e fiquei desesperada. No primeiro momento, eu realmente menti”, disse voluntariamente à bancada de acusação. Ao ser questionada se encarava Eliza como uma possível rival amorosa, Fernanda disse que não. “Ela tinha um filho dele, mas não mais um relacionamento.” Sobre a certeza do paradeiro da modelo, ela disse que “só teve a certeza da execução de Eliza” após as declarações de Macarrão. Ela não estava no plenário durante o depoimento, porém disse que acompanhou pela imprensa.

Leia também: "Até onde vão acreditar no Macarrão?", questiona novo advogado de Bruno

As declarações de Fernanda confirmaram e completaram trechos do depoimento de Macarrão, como os momentos que estiveram com a Eliza no Rio de Janeiro e a viagem deles para a capital mineira. Um ponto contraditório foi a ligação que Macarrão disse ter efetuado na noite do dia 4, na sexta-feira, pedindo para que Fernanda o ajudasse. Ela confirmou que recebeu a chamada, no entanto, a operação não consta nos documentos de quebra de sigilo do seu celular. “Dou minha palavra a todos vocês que recebi essa chamada, não entendo porque não aparece aí.”

A ex encerrou suas declarações atacando os defensores de Bruno, que minutos antes, insinuaram um suposto acordo que ela teria feito com a promotoria para uma diminuição da sua pena. "Não tenho nenhum interesse de fazer acordo com o Ministério Público. Meu único compromisso é com a verdade e a Justiça”. Após o depoimento, a sessão foi encerrada pela juíza Marixa Fabiane Lopes a pedido dos jurados, "que estavam cansados após 19 horas de trabalhos da última sessão". Nesta sexta-feira, possivelmente o último dia do julgamento, será dado início a fase dos debates da acusação e defesa. Só então, o Conselho de Sentença decide se absolve ou condena os réus.

Promotor:  Fernanda mentiu e contradições serão expostas no plenário

Contato com Bruninho

Fernanda assumiu ter sido delegada por Macarrão para ajudá-lo a cuidar do filho de Eliza. “Fiquei sabendo de uma briga séria entre Jorge e Eliza, que ela teria sido ferida no rosto. Fui chamada para cuidar do Bruno enquanto ela se cuidava, tinha dores de cabeça, segundo Macarrão. Ele estava perdido, não sabia cuidar de criança". Ao chegar na casa do outro réu, a ex chegou a dizer que recebeu o bebê de Macarrão e subiu para a parte superior do apartamento, no bairro Recreio dos Bandeirantes, para trocar fraldas e dar mamadeira para Bruninho.

Fernanda relatou que Bruninho era “um neném bonzinho” e que havia dormido a noite inteira. Sônia de Moura, mãe da vítima, acompanhou todo o depoimento da ré. Em diversos momentos, Sônia fazia sinais de negativo com a cabeça e olhava em direção aos jornalistas. Ao deixar o fórum, ela falou com a reportagem iG . “Fernanda mentiu. Minha filha não deixaria o filho na mão de uma pessoa desconhecida. Bruninho não era uma criança que dormia tranquilamente. Ele chupava chupeta, acordava duas, três vezes à noite.”

Até então, Fernanda não teria sido oficialmente apresentada a Eliza Samudio. Isso, segundo o interrogatório, só veio a acontecer na manhã seguinte, do sábado (5). Ao descer as escadas, com Bruninho no colo, viu a modelo conversando com Macarrão e Jorge. Ela teria sido chamada e apresentada a modelo e, no próprio momento, devolvido o filho para a mãe.

Quando Bruno estava perto de fechar um contrato com o time Milan, da Itália, segundo a acusada, seu namorado chegou a prometer uma viagem à Europa para a acusada e seu filho. “Ele sempre falava que quando fosse, levaria nós dois, eu e meu filho.” À época dos fatos, os dois namoravam havia três meses.

A acusada responde ao processo em liberdade. Atualmente, como o iG já havia informado, Fernanda é secretária de um escritório de advocacia em Campo Grande, no Rio de Janeiro. Ela mora na região de Santa Cruz e participa de um grupo de jovens de uma igreja evangélica, localizada no mesmo bairro.

    Leia tudo sobre: caso brunogoleiro brunojulgamentoeliza samudio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG