Luka e o Fogo da Vida tem apelo para público adolescente e deve, inclusive, ser adaptado para os cinemas" / Luka e o Fogo da Vida tem apelo para público adolescente e deve, inclusive, ser adaptado para os cinemas" /

Salman Rushdie lança novo livro na Flip

Luka e o Fogo da Vida tem apelo para público adolescente e deve, inclusive, ser adaptado para os cinemas

AE |

Getty Images
Salman Rushdie e o filho, Milan
Com lançamento mundial na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), dia 6, Luka e o Fogo da Vida, do escritor indiano Salman Rushdie, tem algo de Harry Potter – e todos os ingredientes para conquistar seus leitores. Em entrevista por telefone, de Londres, Rushdie revela, inclusive, que já trabalha numa adaptação desse seu novo livro para o cinema, assistido pelo cineasta inglês Alan Parker ( Evita ). Inicialmente, pensou em Terry Gilliam para dirigir Haroun e o Mar de Histórias , mas ele estava envolvido com outros projetos. Publicado em 1990, Haroun é o livro do qual saíram os protagonistas de Luka , outra fábula no melhor estilo de Italo Calvino.

Luka e o Fogo da Vida narra a história de um garoto de 12 anos, filho de um contador de histórias, Rashid Khalifa. Certo dia, por amaldiçoar um circo que maltrata animais, provocando involuntariamente um incêndio, Luka vê seu pai enfeitiçado pelo perverso treinador que usa o chicote contra os indefesos bichos do circo. Recolhido a um sono profundo que pode levar Rashid à morte, ele só será resgatado se o filho roubar o fogo da vida na Montanha do Conhecimento. Parece um videogame. E é quase um. Rushdie dedica o livro ao filho Milan, que tem quase a mesma idade de Luka.

Se você pensou numa parábola sobre o irracionalismo do mundo contemporâneo, em busca de um novo Prometeu que lhe devolva a luz, pensou certo. Rushdie anda desencantado. Há 20 anos seu pescoço está por um fio por causa de fanáticos que insistem em ler seu Versos Satânicos como uma obra blasfema contra o Islã. Ele ainda corre riscos, a despeito do acordo firmado entre Irã e Inglaterra para suspender a fatwa – condenação à morte – contra Rushdie, acusado de apostasia em 1988 por causa do livro.

Divulgação
Rushdie, que todo dia 14 de fevereiro recebe uma carta de radicais, avisando que o país não esqueceu a fatwa decretada pelo aiatolá Khomeini (1900-1989), não parece tão paranoico como há duas décadas, embora não ignore a advertência. Tem, inclusive, um livro pronto para ser publicado sobre essa experiência de viver perseguido. Ele alega que o escreveu para contestar a história "falsa" que seu guarda-costas Ron Evans tentou publicar e foi interditada judicialmente há dois anos pela Corte Suprema de Londres. Evans teria argumentado em seu livro proibido que Rushdie tem instinto suicida e tirou dividendos financeiros da ameaça de morte.

Mas o escritor deixou de mexer com religião e, hoje, só fala por metáforas – à maneira do português José Saramago (1922-2010). Ou melhor, do cubano de origem italiana Italo Calvino (1923-1985), modelo confesso tanto de Haroun e o Mar de Histórias (1990) como de Luka e o Fogo da Vida , que vem lançar na Flip. Ele já esteve na festa há cinco anos. Sua mesa, nesta oitava edição, foi uma das primeiras a ter lotação esgotada.

    Leia tudo sobre: Salman RushdieliteraturavideogameFlip

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG