João Ubaldo Ribeiro: "Não me considero um homem de letras"

Avesso a participações em feiras literárias, escritor baiano está pela primeira vez na Flip

Valmir Moratelli, enviado especial a Paraty |

João Ubaldo Ribeiro é um dos cronistas contemporâneos mais lidos da atualidade. Mas não só isso. As frases, quase sempre, parecem divagar um pensamento novo. Suas boas tiradas, ditas no sempre grave tom de voz, até podem parecer um tanto indelicadas. Mas é com sorriso que pontua todas elas, o que ajuda a quebrar a aparente solidez de suas frases.

Beto Lima
O escritor João Ubaldo Ribeiro durante entrevista na Flip 2011
Em entrevista coletiva realizada na noite desta sexta (dia 8) durante a Flip , Ubaldo discorreu sobre diversos assuntos que permeiam sua literatura. A seguir, um apanhado de algumas de suas melhores frases. As vírgulas, entenda como risos de um baiano que não se leva tão a sério como parece.

"Quanto mais coroa fico, mais vou sentindo frio"

"Nos anos cinquenta, literatura realista era literatura pornô. Jorge Amado sabia bem o que era ser chamado assim"

"As pessoas acham que estou fazendo charme, mas vou te dizer uma coisa... Não me considero um homem de letras. Encaro com enorme tédio essa tal de literatura"

"Fui criado numa casa cheia de livros e com um pai bastante rigoroso. A arte é uma forma de conhecimento, tem que se buscar isso"

"Não estou preocupado em conhecer os novos autores, esses que vão surgindo agora. Já li muito no passado, está bom"

"Recebo praticamente um convite por dia para participar de festas literárias. A última que recebi foi de uma cidadezinha perto da minha terra, Itaparica, no interior da Bahia. Não tenho nada contra essas festas, tenho contra minha participação nelas [risos]"

"Tenho certeza de que, se preciso, consigo escrever em primeira pessoa o relato de um parto normal. Já me perguntaram como eu consegui escrever um relacionamento homossexual [no livro "O Sorriso do Lagarto"]. Brinco dizendo que treinei com os amigos"

"Descrevo a masturbação feminina em alguns dos meus livros. Mas não sou eu ali masturbando todas elas. Só tem um dedo meu [risos]"

"Um romance são tantos romances quantos forem seus leitores"

"Os efeitos técnicos de todas essas novas tecnologias ainda são recentes para se discutir de forma geral o impacto na literatura"

"Duvido muito que um sujeito leia um livro cheio de hiperlinks. Não acredito na praticidade dessa mecânica do computador. Ainda que eu tenha começado a usar o computador nos seus primórdios"

"O computador afetou, com certeza, o estilo de quem se mudou para ele. Ainda prefiro ter 30 livros abertos à minha vontade para uma pesquisa do que ter todos esses mesmos livros num só eBook para consulta. Não é nada prático"

    Leia tudo sobre: Fliplivroliteratura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG