Atriz faz leitura de peça na qual interpreta pintora modernista, mulher de Oswald de Andrade, homenageado do evento

Leitura da peça lotou a tenda dos autores, com três mil lugares
Beto Lima
Leitura da peça lotou a tenda dos autores, com três mil lugares


O que era para ser uma apresentação mais intimista acabou ganhando as dimensões que um grande evento como a Flip exige. A leitura da peça “Tarsila”, sobre a pintora modernista Tarsila do Amaral, que seria apresentada na Casa de Cultura de Paraty, precisou ser transferida para a tenda dos autores, com capacidade para cerca de três mil pessoas.

A obra é de autoria de Maria Adelaide Amaral e já foi apresentada em vários teatros do País, sendo sua estreia em maio de 2002, no teatro Sesc Anchieta, em São Paulo. Na noite de sexta-feira, 8, o público da Flip pôde acompanhar um pouco da vida da mulher de Oswald de Andrade, homenageado desta edição do evento.

Leitura da peça
Beto Lima
Leitura da peça "Tarsila"

Eliane como Tarsila
Beto Lima
Eliane como Tarsila
Eliane Giardini deu voz à Tarsila, Anita Malfatti foi Beth Golfman, Mario de Andrade na voz de Pascoal da Conceição e José Rubens interpretando Oswald de Andrade. Antes da encenação, Maria Adelaide comentou que foi graças a este texto que chegou À minissérie “Um só coração”, na TV Globo.

“Dois anos depois de escrever este texto, a emissora me pediu uma minissérie para homenagear a cidade de São Paulo. Falei que poderia fazer pelo viés cultural, tão forte no inicio do século passado, com o grupo dos modernistas e a semana de arte de 1922”, contou a autora.

Acompanhe a cobertura completa da FLIP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.