Gabeira e Soares deixam literatura de lado e discutem política na Flip

Debate passou por temas como governo Dilma, UPPs e Comissão de Verdade, entre outros

Augusto Gomes , enviado a Paraty |

Divulgação
Luís Eduardo Soares e Fernando Gabeira

O nome da mesa que reuniu na Flip 2012 Fernando Gabeira e Luís Eduardo Soares, sob mediação de Zuenir Ventura, era Autoritarismo, Passado e Presente. Nada de literatura no título. E nem no debate.

A conversa girou em torno da política e da história recente do Brasil. Em pouco mais de uma hora, a conversa foi do Estado Novo às UPPs do Rio de Janeiro, passando por ditadura militar, governo Dilma Roussef e Comissão da Verdade, entre outros temas.

Soares foi responsável pelas frases mais incisivas. Recebeu aplausos ao dizer, por exemplo, que práticas violentas como a tortura "fazem parte da paisagem brasileira" e que o Brasil, como sociedade, estabeleceu um "convívio com a barbárie" que, para ele, é um enigma.

Numa rara referência literária, ainda comparou o governo Anthony Garotinho a uma "comédia de erros".

Gabeira, por sua vez, criticou a forma como o governo Dilma Roussef se relaciona com o Congresso, classificada por ele de "autoritária". Também não se entusiasmou com a UPPs, que segundo ele têm alcance limitado.

Ainda usou uma frase do livro "A Visita da Velha Senhora", de Friedrich Dürrenmatt, para definir o governo petista: "O mundo fez de mim uma prostituta, então vou fazer do mundo um bordel".

Foi, até agora, o momento mais abertamente política desta Flip 2012. Mas também o menos literário.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG