Vila-Matas: "Me interessa conseguir a originalidade através das obras de outros"

Escritor espanhol, famoso por seus livros sobre outros livros, fez palestra na Flip ao lado do chileno Alejandro Zambra

Augusto Gomes enviado a Paraty | - Atualizada às

Um dos maiores clichês sobre a obra do escritor espanhol Enrique Vila-Matas é que ele faz "metaliteratura" - ou seja, escreve livros sobre outros livros. Na conferência que fez na tarde desta quinta-feira (dia 5) na Flip - Festa Literária de Paraty , ao lado do chileno Alejandro Zambra, Vila-Matas pouco fez para deixar essa impressão de lado.

"Há pessoas que acreditam, ingenuamente, que são os primeiros a fazer literatura. Mas eu sei que tudo o que escrevo está conectado a outros fatos", justificou. "A mim, interessa conseguir a originalidade através das obras de outros autores."

Se suas obras são repletas a referências a outros autores, a palestra não poderia ser diferente. Nisso, Vila-Matas teve bastante ajuda de Zambra. Os dois citaram, por exemplo, os comentários sobre livros inexistentes de Jorge Luis Borges. Também mostraram grande apreço pelo argentino Macedonio Fernández e pelo uruguaio Felisberto Hernández.

"Macedonio e Felisberto se parecem muito. O primeiro passou a vida planejando um romance, e esse planejamento se tornou sua obra. Já Felisberto tem a série de contos incompletos", disse Vila-Matas.

Leia também - Luis Fernando Verissimo é confundido com Paulo Coelho na Flip

Em seguida, afirmou ser um grande fã de obras incompletas ou com problemas. "Um livro perfeito é como uma criança que volta da escola sem um machucado no joelho", comparou o espanhol.

Zambra, por sua vez, justificou suas influências com uma frase do escritor mexicano José Emilio Pacheco: "Cada vez que eu escrevo, invoco os mortos". "Eu vivo em comunicação com os que já morreram. Eles fazem parte da minha comunidade", completou.

Leia também - Vila-Matas: "No mundo de hoje a literatura não tem a menor importância"

Em seguida, afirmou ser um grande fã de autores como Clarice Lispector. "Gosto de escritores que são difíceis de categorizar, que buscam a complexidade das coisas."

Ambos têm duas obras recém-lançadas no país, pela editora Cosac Naify. Vila-Matas acaba de publicar "Ar de Dylan", poucos meses depois de o livro sair na Espanha - é seu nono título lançado no Brasil. Já Zambra lança "Bonsai" (numa edição efusivamente elogiada pelo autor), seu primeiro livro, publicado originalmente no Chile em 2006

    Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG