¿Faria até comercial de colchão com Quentin Tarantino¿, diz Michael Madsen

Ator americano, que comemora aniversário no Rio, diz que está esperando diretor de ¿Kill Bill¿ chamá-lo para outro projeto

Mariane Morisawa, especial para o iG |

Michael Madsen estava bem-humorado na manhã deste sábado (25), no Pavilhão do Festival do Rio, no bairro da Gamboa, dia em que ele completa 53 anos. Ele disse que quer comemorar a data na cama, ao lado da mulher Deanna.

“Mamãe e papai não têm privacidade em casa, com cinco filhos correndo para lá e para cá. Tenho muita sorte de passar meu aniversário no Rio de Janeiro”, disse o ator, que está na cidade para apresentar o longa policial “Federal”, de Erik de Castro, que passa neste domingo (26), na segunda (27), na terça (28) e na quarta (29).

Ele falou com exclusividade ao iG :

iG: Como foi interpretar um vilão americano num filme brasileiro?
Madsen: Eu andava cansado de interpretar vilões americanos na América. Foi divertido. Ouço falar de uma sequência de “Federal”. Como o meu personagem sobrevive, o que não é comum, normalmente eles morrem, eu adoraria voltar e trabalhar com esses mesmos caras.

iG: Como foi filmar em Brasília?
Madsen: Eu gosto de rodar em diferentes culturas, em diferentes lugares. Viajar é a melhor parte do meu trabalho.

iG: Você tem uma lista de trabalhos intensa. Como faz para estar em tantos papéis?
Madsen: Na verdade, na maior parte das vezes você não pode confiar muito no imdb (site de referência sobre filmes). Você encontra um cara no elevador, ele diz que o cunhado tem um roteiro, se você gostaria de ler e em seguida vai parar no imdb. Muitas vezes parece que eu tenho 20 a 30 projetos, mas a verdade é que 90% ainda estão procurando financiamento. Fora que em muitos eu faço apenas uma ponta. É bom estar ocupado, não estou reclamando.

iG: Depois de “Cães de Aluguel” e “Kill Bill”, gostaria de trabalhar novamente com Quentin Tarantino?
Madsen: Eu faria até comercial de colchão com ele. Mas ele só faz o que quer. Ele já deixou sua marca. Vamos combinar, se ele morresse amanhã já teria se tornado uma lenda. E você tem de esperar a lenda ligar. Era para ter feito “Bastardos Inglórios”, mas ele tinha escrito o projeto para Brad Pitt, ia fazer com estúdio, não deu certo. Ele produziu um filme chamado “Hell Rid”e, sobre motocicletas, comigo, Dennis Hopper e David Carradine. Muita gente não conhece porque foi direto para DVD.

iG: Você liga para ele?
Madsen: É engraçado, às vezes ligo para ele ou nos encontramos por acaso e parece que tínhamos nos falado havia dez minutos. Ele não percebe quanto tempo se passou. Ainda acho que a gente tem de fazer nosso melhor trabalho, que ainda não sei qual é. Espero que aconteça logo, estou cansado de esperar!

iG: E quais são seus próximos projetos?
Madsen: Estou em “Loosie”s, um projeto dirigido por Peter Facinelli, de “Crepúsculo”, com Vincent Gallo. Juntos, também vamos fazer Infected”. E faço um lutador no filme “Strength and Honor”, que é o melhor filme que já fiz. Espero que consigam distribuidor logo.

    Leia tudo sobre: festival do rioMichael Madsenfederal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG