"Outubro" de Eisenstein ganha nova vida em Berlim

Cópia restaurada de clássico do cinema russo foi exibida no festival

AFP |

Divulgação
Cena de "Outubro", de Sergei Eisenstein
Após "Metropolis" de Fritz Lang, em 2010, o Festival de Berlim dá nova vida a um outro monumento do cinema, "Outubro", de Sergueï Eisenstein, um afresco sobre a Revolução Russa, censurado quase desde seu lançamento na então União Soviética.

Acesse o especial do Festival de Berlim

A figura de Lênin, interpretada por um ator cheio de mimetismo, aparece aí pela primeira vez no cinema, e suas famosas cenas de multidão são utilizadas com frequência nas aulas de história para contar a revolução bolchevique.

"Outubro", realizado em 1927-1928 para marcar o décimo aniversário da revolução, é uma das obras maiores e um dos raros filmes totalmente concluídos pelo cineasta russo.

Verdadeira superprodução, o filme, rodado após o "Encouraçado Potemkin" apresenta como figurantes milhares de verdadeiros operários, soldados e marinheiros de Petrogrado dando a algumas cenas, como a tomada do Palácio de Inverno, um aspecto de quase documentário.

O Exército Vermelho também está presente: o cruzador Aurora que, no dia 25 de outubro de 1917, deu o sinal da insurreição, aparece em algumas cenas do filme.

Projetado pela primeira vez no dia 14 de março de 1928 no Teatro Bolshoï, esta obra-prima que tinha como vocação servir à causa da União Soviética foi, no entanto, proibida de ser divulgada nas telas do país depois que a "primeira conferência do Partido sobre o cinema" (15-21 de março de 1928) reprovou o "formalismo" do filme.

A presença do personagem de Leon Trotski em algumas passagens, num momento em que o ex-chefe do Soviet de Petrogrado acabava de perder a luta pelo poder para Stalin, representou também uma terrível desvantagem para Eisenstein. Assim, até os anos 60, o filme permaneceu sob sete chaves e o negativo original foi perdido.

Na seção retrospectiva, da edição de 2012, a equipe do Festival de Berlim escolheu dar destaque aos vínculos entre os cinemas russo e alemão, principalmente através de um estúdio de cinema germano-soviético dos anos 20, Mejrabpom.

E "Outubro" também é considerado emblemático das ligações entre os cinemas dos dois países. A primeira verdadeira representação do filme com sua trilha musical completa aconteceu em Berlim, em 1928, com a composição de autoria de Edmund Meisel, um maestro alemão que já havia escrito a partitura de "Potemkin".

O ritmo rápido e a construção melódica desejados por Meisel estavam de acordo com a montagem entrecortada de Eisenstein que escolheu pontuar sua recitação cronológica dos dias de outubro com evocações simbolistas, voltadas para esclarecer o espectador sobre o sentido da revolução.

Na noite desta sexta-feira, a 'Berlinale' apresentou, então, "Outubro", a partir de uma cópia totalmente restaurada e com a música de Meisel, "reconstruída" pelo compositor contemporâneo Bernd Thewes e interpretada pela orquestra sinfônica da rádio de Berlim.

Com efeito, apenas os elementos da versão para piano da música original existiam ainda, nos arquivos cinematográficos russos. "Graças à música de Meisel e a ajuda de Bernd, o que ouvimos hoje torna o filme ainda mais magnífico e penso que Eisenstein ficaria realmente muito feliz", considerou Naum Klejman, diretor do Museu de Cinema de Moscou e estudioso do cineasta.

    Leia tudo sobre: cinemaalemanhafestivalhistória

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG