"Não quero ser jovem", diz Isabella Rossellini

Atriz estrela com William Hurt a comédia "Late Bloomers", da diretora Julie Gavras

Mariane Morisawa, enviada especial a Berlim |

Divulgação
Isabella Rossellini e William Hurt: casal descobre que envelhecimento não é tragédia
A melhor palavra para definir “Late Bloomers”, dirigido por Julie Gavras e estrelado por Isabella Rossellini e William Hurt neste Festival de Berlim 2011 , é simpático. É aquele tipo de filme que, sem ser bobo, faz todo espectador sair do cinema com sorriso no rosto.

Mary (Isabella Rossellini) entra em crise ao achar que, beirando os 60 anos, está velha. Seu marido, Adam (William Hurt), é um arquiteto superstar. Ele também acaba entrando em crise. Separam-se, e os três filhos fazem de tudo para que se reconciliem. O envelhecimento, diz o filme, não é uma tragédia. Em tom de comédia, a diretora conduz a trama com mão leve e faz um longa-metragem adorável.

AFP
Isabella Rossellini: bom humor na coletiva
Na coletiva de imprensa que se seguiu à exibição, Julie Gavras disse que a menina de seu filme anterior, “A Culpa é do Fidel”, e Mary são a mesma pessoa. “São mulheres tentando achar um lugar na sociedade, é só uma idade diferente. É meu problema também”, disse.

Presidente do júri da competição oficial, Isabella Rossellini, que encantou os jornalistas presentes com seu bom humor, afirmou ter adorado ver um filme sobre envelhecimento. “São tão poucos e tão dramáticos. E minha experiência tem sido pouco dramática, aliás bem cômica às vezes. Achei o filme muito feminino. Mulheres envelhecendo são vistas como uma tragédia e foi preciso uma cineasta mulher para ver diferente.”

Em seguida, ela deu um exemplo de por que envelhecer foi um alívio, em certos aspectos. “Não gostava muito de andar em Roma, com os caras assobiando, ou fingindo tropeçar e passando a mão na sua bunda. Sempre achei ameaçador, não me sentia lisonjeada. Quando isso foi embora com a idade, meio que gostei.”

Depois, por conta de outra pergunta, ela voltou ao tema. “Não quero ser jovem, quero ter minha idade. Acho um pouco insultante quando dizem: ‘Você parece mais jovem do que é’. É que nem quando dizem sobre meu filho, que é negro: ‘Ah, mas ele não é muito negro. E você tem de dizer obrigada!”, afirmou.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG