Festival de Berlim mantém no júri cineasta iraniano preso

Organizadores reafirmam apoio a Jafar Panahi, que já recebeu um Urso de Prata no evento

AFP |

O Festival Internacional de Cinema de Berlim, a ser realizado de 10 a 20 de fevereiro, reiterou nesta sexta-feira apoio ao diretor iraniano Jafar Panahi, preso em seu país, ao anunciar que estava aberto para ele um lugar no júri, presidido pela atriz Isabella Rossellini.

"A Berlinale mantém um lugar reservado para Jafar Panahi e, ao fazer isso, destaca apoio à sua luta pela liberdade", assinalou a organização da Berlinale em comunicado.

O cineasta ganhou em 2006 o Urso de Prata do Festival de Berlim com o filme "Offside", tendo sido convidado, há alguns meses, a integrar o júri de 2011. Mas em dezembro passado foi condenado no Irã a seis anos de prisão por ter "participado de manifestações" e feito "propaganda contra o regime". Também recebeu proibição de trabalhar e deixar o Irã durante 20 anos.

Panahi é um dos cineastas iranianos mais conhecidos no exterior. Em 2000, ganhou o Leão de Ouro em Veneza com o filme "O Círculo". Os demais membros do júri da 61º Berlinale serão a produtora australiana Jane Chapman, a atriz alemã Nina Hoss, o ator, produtor e diretor indiano Aamir Khan, o cineasta canadense Guy Maddin e a estilista britânica Sandy Powell.

    Leia tudo sobre: Festival de BerlimJafar Panahi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG