"Cesare Deve Morire" ganha Urso de Ouro em Berlim

Filme é dirigido por Paolo e Vittorio Taviani; húngaro ficou com Grande Prêmio do Júri

Mariane Morisawa, enviada especial a Berlim |

Divulgação
Cena de "Cesare Deve Morire"
O filme "Cesare Deve Morire" , dirigido por Paolo e Vittorio Taviani, foi o vencedor do Urso de Ouro do Festival de Berlim 2012 . O anúncio foi feito em cerimônia de premiação na noite de sábado (18), no Berlinale Palast.

O Grande Prêmio do Júri ficou com o húngaro "Csak à Szél" , de Bence Fliegauf. "Conheci tantas pessoas bonitas quando fiz esse filme, os especialistas e trabalhadores sociais que trabalham com os ciganos. Espero que esse prêmio ajude que eles tenham mais apoio", disse o diretor.

Leia também: "É nosso prêmio mais importante", afirma Paolo Taviani

O Urso de Prata de melhor direção foi para o alemão Christian Petzold, pelo longa-metragem "Barbara" . Mikkel Boe Følsgaard levou o Urso de Prata de melhor ator, por seu trabalho em "En Kongelig Affære" , de Nikolaj Arcel. "Muito obrigado, estou muito feliz. Obrigado à toda a equipe, meus amigos, minha família", disse o ator que faz o rei Christian 7º no filme.

Divulgação
Rachel Mwanza em 'Rebelle'
Já Rachel Mwanza, de "Rebelle ", dirigido por Kim Nguyen, ganhou o Urso de Prata de melhor atriz pelo papel da menina-soldado Komona. A atriz pulou e gritou quando foi anunciado o prêmio. Chorando, disse em francês e inglês: "Obrigada!". A equipe toda chorou e vibrou com a vitória de Mwanza, que viveu nas ruas antes de fazer o filme.

O Urso de Prata de melhor roteiro foi para Nikolaj Arcel e Rasmus Heisterberg, pelo dinamarquês "En Kongelig Affære" , dirigido por Arcel. "É uma grande honra", disse Arcel. A fotografia de Lutz Reitemeier para o chinês "Bai Lu Yuan" , de Wang Quan'an, foi agraciada com um Urso de Prata por sua contribuição artística. "L'Enfant d'en Haut" , de Ursula Meier, ganhou menção especial do júri.

O troféu Alfred Bauer, dado a um filme de particular inovação, foi para o português "Tabu" , de Miguel Gomes. "Muito obrigado, parabéns a João Salaviza. Agradeço ao júri. Estou um pouco confuso. Ganho esse prêmio de inovação quando só queria ter feito um filme à moda antiga. Acho que errei", disse. "Também quero dedicar ao cinema português, ao talento de cineastas como Manoel de Oliveira, Pedro Costa, que fizeram cinema independente do poder político e econômico."

O júri da competição de longas-metragens foi presidido pelo cineasta inglês Mike Leigh e formado pelo fotógrafo e cineasta holandês Anton Corbijn, pelo diretor e roteirista iraniano Ashghar Farhadi, pela atriz francesa Charlotte Gainsbourg, pelo ator americano Jake Gyllenhaal, pelo cineasta e roteirista francês François Ozon, pelo escritor argelino Boualem Sansal e pela atriz alemã Barbara Sukowa.

O melhor longa-metragem de estreante foi o holandês "Kauwboy", de Boudewijn Koole, exibido na seção Geração Kplus, segundo o júri formado pelo romancista alemão Moritz Rinke, pela diretora do festival Cinema Days of Beirut Hania Mroué e pelo ator americano Matthew Modine. A menção especial foi para o turco "Tepenin Ardi", de Emin Alper, apresentado no Forum.

Na mesma cerimônia, foi anunciado o Urso de Ouro de melhor curta-metragem, para o português "Rafa", de João Salaviza – o diretor também venceu a Palma de Ouro de curta-metragem em Cannes em 2009 com "Arena".

"Estou realmente surpreso, vocês poderiam ter me dito, porque poderia ter preparado um belo discurso", disse o diretor no agradecimento. "Estamos num momento delicado para o cinema em Portugal. Ninguém sabe o que vai acontecer. Esse prêmio é dedicado para o governo português, se no próximo ano você fizer um bom trabalho, dedico esse troféu a vocês. Então é um amor condicional."

Leia também:  Vencedores falam sobre premiação em coletiva de imprensa

O Urso de Prata de prêmio do júri foi para o japonês "Gurehto Rabitto", de Atsushi Wada. A menção especial foi para o brasileiro "Licuri Surf", de Guile Martins. O júri da competição de curtas-metragens foi integrado pela atriz alemã Sandra Hüller, pela artista palestina Emily Jacir e pelo cineasta irlandês David O'Reilly.

    Leia tudo sobre: Festival de Berlimcinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG