Fidel e Chávez têm reunião de quatro horas em Havana

Líderes lembraram os dez anos da assinatura de um acordo entre Cuba e Venezuela que deu início a "relações fraternais"

iG São Paulo |

O ex-presidente cubano Fidel Castro e o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, fizeram uma reunião de quatro horas em Havana na terça-feira. Segundo a imprensa cubana, que divulgou imagens do encontro nesta quarta-feira, Fidel e Chávez disseram que "as relações entre Cuba e Venezuela constituem um exemplo de relações fraternais entre dois povos revolucionários que lutam por um destino melhor para toda a humanidade". 

© AP
Chávez e Fidel se encontram em Havana (09/11)

Ainda de acordo com a imprensa cubana, os líderes relembraram a assinatura do Convênio Integral de Cooperação Cuba-Venezuela, há dez anos, que "permitiu consolidar as relações políticas, econômicas e sociais entre nossos povos".

Fidel Castro, de 84 anos, aparece nas fotos de pé, conversando com Chávez. O líder cubano felicitou Chávez pelas "cálidas e emotivas palavras" que pronunciou na segunda-feira em um ato pelos dez anos do convênio. Chávez, por sua vez, expressou sua satisfação com o novo encontro com Fidel e a assinatura do convênio.

Congresso

Na segunda-feira, ao lado de Chávez, o presidente cubano Raúl Castro anunciou a convocação do sexto Congresso do Partido Comunista para abril de 2011. O Congresso é a instância em que o PC, único partido legal de Cuba, estabelece as diretrizes para o país, supostamente para os cinco anos seguintes, embora o último tenha ocorrido há 13 anos.

Raúl Castro afirmou que a economia será o único tópico do Congresso. As diretrizes incluem reformas já iniciadas - incluindo a redução do papel do Estado na sociedade e a descentralização do gerenciamento agrícola.

Elas incluem uma proposta para eliminar a cota mensal de alimentos que os cubanos recebem, um símbolos de décadas de paternalismo estatal e um alvo particular do presidente, que diz que medidas assistencialistas desencorajaram a produtividade.

As diretrizes também pedem por provisões para créditos bancários para os novos autônomos e vendas por atacado para cortar seus custos, mas também para que paguem impostos para financiar os gastos públicos. Em contraste com políticas passadas, os negócios do Estado que não lucrarem serão completamente liquidados. Além disso, as autoridades tentarão melhorar a credibilidade internacional do país "por meio do cumprimento dos compromissos contratuais".

A posição de Cuba com a comunidade de negócios internacional foi danosa nos últimos dois anos, enquanto uma crise monetária forçou o congelamento das contas bancárias cubanas de empresários estrangeiros e do pagamento para muitos deles.

O partido também propôs "continuar encorajando a participação de capital estrangeiro em Cuba, complementando o investimento nacional nessas atividades de interesse para o país". O documento menciona, por exemplo, o desenvolvimento de campos de golfe e condomínios de luxo para atrair visitantes ricos à Ilha caribenha.

Raúl disse que, antes de serem distribuídas, as diretrizes foram submetidas para Fidel Castro para sua consideração. Apesar de ele não ser mais o presidente, ainda é líder do Partido Comunista.

Com Reuters e AFP

    Leia tudo sobre: cubafidel castroraúl castrohugo chávezvenezuela

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG